Reivindicar direitos é uma possibilidade legal de qualquer categoria. Mas, no caso dos professores municipais em Feira de Santana, existe uma grande dose de birra. A APLB, historicamente no município, não se notabiliza pelo diálogo. Greve sempre foi primeira opção. Agora não é diferente. E os estudantes, como ficam?