O vereador Marcos Lima, líder do governo municipal na Câmara de Vereadores, jogou um balde de gasolina na fogueira que virou a greve dos professores da rede municipal de ensino em Feira de Santana. “Não há motivo sensato para que a greve permaneça. O motivo que passei a perceber é o motivo político”, disparou.