O deputado estadual feirense Pastor Tom parece empolgado com a ideia de ser um prefeiturável. Nas entrevistas ele mais tem falado dessa sua pretensão (já disse algumas vezes que não abre mão da candidatura a prefeito de Feira) do que do próprio mandato parlamentar. Está colocando o carro à frente dos bois. Uma coisa é ser eleito deputado contando com o voto induzido do eleitorado evangélico ligado à igreja dele. Outra coisa, muito diferente, é disputar a Prefeitura. Alguém próximo a ele deve lhe dar um conselho: pastor, primeiro cuide de fazer um bom mandato de deputado, o que não lhe será fácil. Depois, bem mais adiante, quem sabe possa discutir com alguém sobre eleição majoritária. Outra coisa: não diga que "não aceita isto, não aceita aquilo", pois você ainda não tem asas que lhe permitam voar tão alto.