Têm sido interessantes os debates entre os vereadores Roberto Tourinho e Marcos Lima, na Câmara Municipal. De um lado, um experiente parlamentar, de vários mandatos e que conhece bem a engrenagem da máquina administrativa do Município, pois até bem pouco tempo era “telhado”, aliado do governo municipal. Virou “pedra”. Do outro, um jovem vereador “vidraça”, defendendo o governo.
Se de um lado tem faltado habilidade ao líder governista para lidar com algumas situações, como os constantes atritos dos pares de bancada, de outro lado sobra argumento e agilidade para rebater algumas críticas, digamos, inconsistentes dos oposicionistas.
Exemplo disso aconteceu na sessão de segunda-feira (13). Falando sobre condomínios residenciais do Programa Minha Casa, Minha Vida, Tourinho disse, vagamente, que “aqueles moradores não podem fazer compras pela internet porque não têm CEP. Como explicar a grande quantidade de crianças fora da escola, pois não há escola próxima aos residenciais? Existem pessoas há 4,5 meses aguardando uma consulta, porque não tem médico”. Situações genéricas, sem exemplo prático, que enfraquecem o discurso.
Experiente e competente como é, Tourinho sabe que este tipo de situação deve ser apresentado com personagens e informações. Ponto para o novato.