Está publicado no Diário Oficial do Município, do dia 10 desse mês de maio de 2019, um aditivo de prazo de mais 12 meses para conclusão do BRT em Feira de Santana. Uma obra que já rendeu muito pano para manga e é munição farta para a oposição metralhar o governo municipal. Nessa quarta-feira (15), o vereador Roberto Tourinho soltou o verbo. “Fiz um apanhado de publicidades tratando sobre o fim das obras e tenho certeza de que é uma obra que liga nada a lugar nenhum e não tem comprometimento por parte da administração”, criticou. Tourinho disse mais: “Essa turma que aí está, trata a população com desdém. Se o BRT ficar pronto, será em 2020. R$ 100 milhões e a única coisa que tem são quatro ou cinco casinhas de pombo”, disparou. O vereador desempenha, assim, seu papel de legislador, que é fiscalizar o governo. Até aí, tudo bem.
Mas, por curiosidade, o www.oprotagonistafsa.com.br também pesquisou. E descobriu que durante sua permanência nesse mesmo grupo político, como secretário ou vereador aliado, Tourinho simplesmente não viu nada de errado com o BRT. Se viu, nada disse. Calou-se. Não achou que era investimento irresponsável, que os prazos estavam sendo estendidos em demasia, que “essa turma aí trata a população com desdém” e que a obra estava resumida a quatro ou cinco casas de pombo.
Dizem, as más (ou boas) línguas, que Tourinho se aborreceu por não ter recebido apoio para ser presidente da Câmara de Vereadores – eleição vencida por José Carneiro. Aí, após ser um aliado passivo, voltou a ser um touro indomável na Casa da Cidadania.