Profissional de comunicação mais bem-sucedido em Feira de Santana, nas últimas décadas, o radialista Dilton Coutinho admitiu, pela primeira vez, que estuda, sim, a possibilidade de ser candidato a prefeito em 2020. Em entrevista exclusiva ao Protagonista, o âncora e comandante do programa de rádio e site de mais apelo popular da região, diz que está “em processo de análise” de uma possível candidatura. Embora não seja filado a partido político, nem nunca ter admitido a intenção de disputar a cadeira mais importante do Paço Municipal, o comendador foi citado na pesquisa do jornal Folha do Estado e site do blogueiro bem informado Jair Onofre, divulgada nessa terça-feira (11).
Dilton obteve 2,3% das intenções de voto na pesquisa estimulada, quando são oferecidas opções de nomes aos pesquisados. Ficou à frente, por exemplo, de nomes como da deputada federal Dayane Pimentel, 1,2%; de Jhonatas Monteiro, 1,1%; do vereador Roberto Tourinho, 1,0%; do deputado pastor Tom, 0,5%; do empresário Zé Chico, 0,1%; e suplente de deputado estadual Angelo Almeida, 0,1%. E bem próximo dos ex-deputados federais Irmão Lázaro, 3,1%, e Fernando Torres, 2,9%.
Ao comentar sobre o resultado da pesquisa, Dilton disse estar agradecido. “Quero agradecer à comunidade. Fui citado sem anunciar uma candidatura ou ser filiado a partido político. Qualquer filho da terra ficaria contente por ter o nome lembrado”, disse.
O radialista revelou que tem avaliado a possibilidade de ser, mesmo, candidato em 2020. “Continuo na minha avaliação. Mas o modelo de fazer política no Brasil talvez esteja inibindo ‘Dilton Coutinho’ e outras pessoas de ingressar nesse mundo da política. Estamos em avaliação, porque o modelo atual está desgastado e ultrapassado. Estou conversando com amigos e familiares, mas a tendência é abraçar o conselho do experiente jornalista Levi Vasconcelos, que disse a mim para ficar no meu canto comunicando e ajudando à comunidade”, pontuou, acrescentando: “refiro-me aos amigos de fora da política, porque os de dentro ficam incentivando (a candidatura)”, revelou.
Ele também agradeceu ao deputado Targino Machado. “Ele entende bem o meio político e se disse que posso ganhar de Colbert e Zé Neto, então eu agradeço”, justificou.
Ao final da conversa com o blog, Dilton enfatizou: “A indecisão (sobre a candidatura) vem em função desse atual modelo de se fazer política no país (não disse qual – ‘todos sabem’, desconversou). É isso que dificulta uma decisão minha”, disparou.