O suplente de deputado Ângelo Almeida, em contato com o Protagonista, faz um questionamento ao governo municipal sobre a polêmica da instalação de um campus avançado da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), no distrito de Ipuaçu, às margens da BR 116 Sul. “Se o Estatuto das Cidades determinou que cidades brasileiras com mais de 20 mil habitantes tivessem seu Plano Diretor atualizado e revisado até o ano de 2011, como compreender que a doação dessa área em terreno às margens da BR 116 Sul, realizada em 2016, possa ser considerada ilegal, quando o Plano Diretor de Feira de Santana só foi encaminhado e aprovado pela Câmara Municipal em 2018?”, questiona.
Ainda segundo Ângelo, foram longos 26 anos com o mesmo Plano Diretor. Um absurdo que só pode ser justificado por nível de mentalidade política atrasado e contemplativa de interesses que ainda não foram bem explicados”, alerta.
Ângelo também lembra que o Plano Diretor de 2018 deveria ter criado uma Zona Especial de Interesse Social (ZEIS). “Da mesma forma que criou outras para o programa Minha Casa, Minha Vida, de expansão urbana”, conclui.
Existe uma clara disputa política em relação à polêmica da instalação da UFRB em Feira de Santana. A vaidade não pode impedir que o município receba tão importante equipamento de educação. Canja de galinha e bom senso não fazem mal a ninguém.