A presidência da Câmara de Vereadores agiu rápido e ainda nessa segunda-feira (15) vai encaminhar ofício à Rádio Povo solicitando a gravação do editorial do radialista Carlos Lima sobre a grave denúncia “de desvio de benefício do vale-refeição por parte de vereadores da Casa”. Na manhã dessa segunda Carneiro se reuniu com o advogado Guga Leal, do departamento jurídico da Casa. A denúncia foi, inicialmente, feita pelo Blog do Velame.
Em contato com o Protagonista, o presidente José Carneiro informou que após receber a gravação vai voltar a se reunir com o departamento jurídico para adotar medidas judiciais. “Na condição de presidente da Câmara não posso deixar passar em branco. Se há denúncia tem que haver provas. E vamos solicitar aos profissionais e à emissora essas provas, porque houve uma generalização”, salienta Carneiro.
A denúncia foi feita pelo radialista Carlos Lima, em editorial veiculado na Rádio Povo, na sexta-feira (12). Segundo o experiente comunicador, vereadores em Feira de Santana se apropriaram indevidamente, ao longo dos últimos meses, do valor do vale-refeição destinado a servidores em cargos comissionados – os cargos de confiança dos gabinetes.
O Blog do Velame, que também denunciou o caso, citou, inclusive, um ex-vereador como fonte. Segundo o blog, alguns vereadores usam os cartões como moeda política. "Chegam a deixar os cartões com cabos eleitorais que não foram nomeados, como forma de compensação", diz trecho da matéria postada no blog.
De acordo com as denúncias, foram destinados R$ 1.463.537,68, em 2018, para pagamento de vale-refeição - apenas os servidores que são de carreira ou algumas outras funções, recebem os valores. Já os que ocupam cargos de confiança, indicados por vereadores, ficam dependentes do repasse feito pelo parlamentar.
Cerca de R$ 1.463.537,68 foram gastos pela Câmara Municipal de Feira de Santana, em 2018, com o cartão refeição. Cada um dos funcionários deveria receber o equivalente a R$ 22,00, por dia, que podem ser gastos tanto em restaurantes, quanto em supermercados, segundo consta no artigo 3º da resolução Nº 496/2015.
Essas despesas são pagas através da empresa Green Card S/A Refeições Comer, detentora de um contrato para administrar e gerenciar os vales alimentação no valor de R$ 2.390.960,00 que vai até o dia 30 de março de 2020.
Segundo a denúncia, a maioria dos cartões é entregue diretamente aos vereadores, quando deveria ser entregue aos servidores.