R$ 550 (quinhentos e cinquenta reais). Esse é valor mínimo que cada ambulante ao camelô vai pagar pelo aluguel e condomínio de uma loja no Centro Comercial Popular de Feira de Santana. A informação é de Elias Tergilene, empresário responsável pelo consórcio que administra o empreendimento.
Por cada metro quadrado os cadastrados pagarão R$ 80 por box. Como são cinco metros quadrados em cada unidade, o total é de R$ 400. Já a taxa de condomínio, que inclui água, luz, segurança, limpeza e manutenção, será entre R$ 30 e R$ 35, por metro quadrado.
Ainda segundo Tergilene, a partir de agosto os camelôs e ambulantes cadastrados terão três meses de carência – até outubro. Caso não seja pago o valor, o box pode ser retomado pela administração.
Ao Protagonista Elias Tergilene confirmou que no final do mês de setembro a obra será entregue. Sobre os valores dos boxes na área pertencente ao consórcio, Tergilene diz que custam entre R$ 35 e R$ 40 mil, para a concessão de 30 anos de exploração.
Sobre os vereadores, Tergilene diz que “não há relação com a Câmara. Temos com a prefeitura”. E sugere que há politização nas críticas feitas por vereadores sobre o empreendimento. “Se alfinetam o governo não temos nada com isso. O processo eleitoral deve estar se iniciando e o empreendimento tem visibilidade, aí usam para falar alguma coisa”, dispara.
 “Têm conhecimento para criticar? Acredito que não. Esse tipo de situação (críticas) enfrentamos também em outras cidades. Mas aí eu pergunto: tem empreendimento melhor para acomodar os camelôs?”, questiona.
Sobre a polêmica com o vereador Luiz da Feira, Tergilene confirmar que foi procurado pelo vereador em seu escritório em São Paulo. “Não convidei o Luiz (da Feira). Ele disse que veio a um Fórum de Vereadores e esteve no meu escritório. Luiz ficou criticando. Queria se capitalizar em cima do empreendimento”, alfinetou.
Encerrando, Elias Tergilene diz que “as críticas ao Centro Comercial Popular não têm fundamento. Têm cunho político. São críticas abstratas”, disparou.
(Foto: Caldeirão do Paulão)