Embora a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) gaste uma verdadeira fortuna mensalmente em segurança, estudantes da instituição têm sido alvos de assaltos dentro do próprio campus. Recentemente, quatro alunos foram vítimas da ação de dois homens armados, que levaram dinheiro, notebooks e celulares.
E não foi um caso isolado. Relatos de assaltos não são raros dentro da UEFS. O clima é de insegurança.
Como o campus tem uma área grande, mesmo as rondas feitas por seguranças em motocicletas não dão conta. A sensação de insegurança é ainda maior devido às muitas áreas de matagal existentes na unidade. Toda a área é murada, mas existem  buracos que têm facilitado a entrada de marginais.
A segurança na UEFS é feita por uma empresa terceirizada. A direção da instituição informa que 168 profissionais trabalham dentro do campus. O efetivo é distribuído em 42 postos que funcionam 24h.
A Polícia Militar não faz rondas dentro da instituição, devido à autonomia universitária. Apenas com autorização ou a convite da direção da instituição.
A UEFS conta com 7.681 alunos matriculados em 28 cursos de graduação e 25 de pós-graduação.
O reitor Evandro Nascimento, em contato com o Protagonista, informou que está em férias, em viagem fora da Bahia. Recomendou que o blog entrasse em contato com a assessoria de comunicação da UEFS. Assim foi feito. Uma nota foi enviada ao blog.

NOTA DE ESCLARECIMENTO - A Administração Central da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) informa que dentro do campus existem 42 postos de segurança, que funcionam ininterruptamente, e contam com a atuação de 168 profissionais, quadro efetivo definido pela Casa Militar. A comunidade universitária também conta com o serviço de ronda motorizada, para pronto-atendimento, que possibilita o breve deslocamento dentro do campus em situações emergenciais, além do apoio no pórtico e em eventos realizados na Universidade. 
A Uefs destaca ainda a importância de registro oficial de toda e qualquer ocorrência na Unidade de Infraestrutura (Uninfra) da Uefs e, em casos de natureza mais grave, na delegacia de Polícia Civil. 
Sobre a PM e a Polícia Civil, a Uefs esclarece que podem entrar no campus quando solicitadas pela Administração da Universidade, ao serem previamente identificadas pela vigilância interna ocorrências que requeiram a aplicação do poder de polícia.
De acordo com a Unidade de Infraestrutura (Uninfra) da Uefs, o serviço de recuperação do muro que cerca a Universidade já estava previsto para iniciar esta semana. Em relação ao serviço de roçagem no campus, o mesmo é feito regularmente, no entanto, no período de chuvas o crescimento da vegetação é acelerado.