O ex-deputado e radialista Carlos Geilson avaliou a recente pesquisa feita pelo Instituto Paraná e divulgada pelo site Bahia Notícias (leia mais). “Pelo que lá está, existe muitos empatados em segundo lugar, com a margem de erro de 4%. Pesquisa altamente positiva. Dentro desses que estão na dianteira, o único que não tem mandato sou eu”, destacou. Geilson também enfatizou o elevado índice de rejeição. “Taxa altíssima. Chego até a duvidar”, pontua.
“Com a margem de erro de 4 pontos para mais ou para menos, todos estão empatados em segundo lugar. É só você mensurar minha pontuação com os demais e até com o prefeito, pois se ele está com 14 pontos e eu estou em torno de 8. Para mais eu vou ter 12 e para menos ele vai ter 10, então estamos empatados dentro da margem de erro. Uma pesquisa altamente positiva. Além do mais, a rejeição altíssima, eu chego até a duvidar. Será que os candidatos que foram citados em torno de rejeição, essa rejeição é verdadeira? Eu tenho minhas dúvidas, porque são índices estratosféricos. O ponto que eu coloco em debate: eu acho incongruente é o alto índice de rejeição dos quatro candidatos mais citados na pesquisa do Instituto Paraná. Com uma margem de erro de 4%, o resultado é excelente. Dentro desses que estão na dianteira, o único que não tem mandato sou eu. Ainda não declarei que sou candidato, embora também nunca escondi de ninguém que eu trabalho para ser. Minha candidatura, se ela acontecer, será fruto de um entendimento que eu busco ter. Essa candidatura forçada, candidato de qualquer jeito, lançamento precipitado, eu não irei fazer isso. E quando eu fizer, e se eu fizer, será fruto de um entendimento que eu busco com uma aliança de partidos que nos dê solidez de chegar ao segundo turno”.