Definitivamente o empresário Elias Tergilene, responsável pelo Consórcio que administra o Centro Comercial Popular, não conta com a simpatia da maioria dos vereadores da Câmara Municipal de Feira de Santana. Agora, foi a vez do próprio presidente da Casa, vereador José Carneiro Rocha (PSDB), soltar um torpedo em direção ao empresário mineiro: “Este senhor (Elias Tergilene) não é, de maneira nenhuma, exemplo de empresário nesse país”.
Ao falar aos camelôs presentes nas galerias da Câmara nessa terça-feira (27), Carneiro salientou que o objetivo principal na Casa é pacificar a situação e buscar soluções. “Esta é a casa do povo, onde todo cidadão e categoria tem o direito de reivindicar e defender convicções. Sabemos que vivemos num momento crucial em relação ao Shopping Popular; temos consciência de que ele promete e vimos nele a grande possibilidade de os ambulantes trabalharem honestamente, porém há questões que foram levantadas e estamos usando a Câmara como intermediária. Todos os edis estão incumbidos nessa questão com o intuito de pacificar e colaborar com vocês”, disse o presidente, se dirigindo aos ambulantes presentes nas galerias.
E continuou. “Os pontos discutidos pela categoria são questionáveis. Dizem que não sobreviveriam pagando R$ 80 reais no metro quadrado no box. Esse é um ponto crucial e nós todos também entendemos que é um valor considerável. Os camelôs vivem nas ruas com suas barracas e não tem esse compromisso. Claro que queremos acreditar que o equipamento dará aos camelôs melhor visibilidade”, pontuou.
Segundo o presidente, não pode deixar de reconhecer que os vereadores fizeram várias críticas ao empresário Elias Tergilene. “Defendemos o vereador Luiz da Feira, quando houve tentativa de macularem sua imagem e entendemos que este senhor (Tergilene) não é, de maneira nenhuma, exemplo de empresário nesse país. Temos informações da existência de problemas em empreendimentos comandados por Elias. Tenho um amigo em Caruaru e lá a situação também é grave em um empreendimento de propriedade de Elias Tergilene”, informou.
O presidente disse ter convicção de que não adianta elevar os ânimos no debate em relação ao Shopping Popular. “Não adianta também usar discurso político e inflamar porque não será a solução”, avaliou.
José Carneiro pediu que os colegas não se dirijam uns aos outros com discursos inflamados. “Temos que respeitar a posição de cada um. Entendo que Elias Tergilene tem problemas sérios em outros estados e quero acreditar que a Prefeitura e o secretário Borges Júnior tenham habilidade para resolver os problemas e não criar mais um. Observei que na pauta estão a suspensão do sorteio até a audiência com o prefeito; revisão do contrato; cópia do contrato de inquilinato e redução dos valores dos boxes”, listou. Para o presidente, as reivindicações são plausíveis.