Ainda não há um diagnóstico final, mas a Defesa Civil de Feira de Santana e engenheiros contratados identificaram, de forma preliminar, a possível causa das rachaduras, afundamento e inclinação do edifício Sarkis (leia mais).
Conforme Pedro Américo Lopes, coordenador da Defesa Civil Municipal, foi identificada baixa resistência do solo por conta de umidade e o tipo de solo, que é arenoso. “Mas pode ser corrigido a médio e longo prazos. Existem alternativas”, ressalta.
Neste sábado (31), está previsto o início de uma escavação na base do prédio. “O trabalho é importante para termos um diagnóstico mais preciso. Será feito por uma empresa contratada pelos proprietários do edifício”, explica Pedro Américo.
Na escavação, um aspecto a ser observado é se a fundação do prédio foi feita com “sapata” - é a parte mais larga e inferior de um alicerce. Elemento de fundação superficial, de concreto armado, usado para transmitir ao terreno as cargas de fundação. “Se for sapata, gera uma maior probabilidade de novas movimentações da estrutura. Por isso a escavação é fundamental para termos um diagnóstico preciso”, salienta Pedro.
O coordenador da Defesa Civil esclarece que não houve movimentação da estrutura nos últimos dias, apesar da chuva e do trânsito liberado.
Por enquanto o comércio próximo em barracas na rua Sales Barbosa e algumas lojas segue interditado, assim como o próprio prédio.
Um fato curioso é que essa semana houve uma tentativa de arrombamento na loja da Ricardo Eletros, localizada na parte térrea do edifício Sarkis. “Um ladrão forçou uma das portas, mas foi flagrado por um vigilante e foi detido. Portanto, o dano na porta da loja não foi gerado por novo deslocamento da estrutura, como espalharam nas redes sociais”, esclarece.