Feira de Santana registrou a média de um assassinato por dia em 2018. Durante todo o ano, foram 368 crimes violentos. Também no ano passado foram registradas, ainda, 59 mortes decorrentes de confrontos entre policiais e suspeitos – os chamados autos de resistência -, contra 38 mortes no mesmo período de 2017 e 52 em 2016, na mesma modalidade.
O jornalista Jânio Rego (foto), em sua conta pessoal de twitter e em grupos de jornalistas no whatsapp, alerta para esse grande número de mortes em confrontos com policiais militares e critica radialistas da cidade. “Não me surpreende crescer o número de pessoas assassinadas por ‘dr. troca-de-tiros-com-a-polícia’ em Feira de Santana... o que ainda me surpreende e dói é a omissão e os aplausos dos radialistas”, disparou.
O Protagonista conversou com Jânio. “Não se trata apenas de 'influir' ou mesmo normalizar isso, mas de fazer jornalismo... é evidente que a notícia de relevância é esse crescimento assustador de mortes em confronto com a polícia”.
Perguntado sobre se haveria motivo para essa postura de radialistas, Jânio diz que “refletem o senso comum e profissionais de comunicação devem colocar sempre em dúvida o senso comum”.
“Ressalte que não estou generalizando. Nem todos...”, salienta.