A mais recente pesquisa avaliando o cenário político de Feira de Santana, desta vez realizada pelo Instituto Paraná, divulgadano conceituado site Bahia Notícias, e divulgada nesta quarta-feira (28), deu ânimo a quase todos os pré-candidatos, e até a quem, até agora, não manifestou desejo de disputar a prefeitura da segunda maior cidade baiana. A rejeição aos candidatos foi alta, com 17,2% dos entrevistados dizendo que não vota em nenhum dos nomes apresentados.
Zé Neto comemora os 26,5% registrados, principalmente, pelo fato de nas outras eleições ter iniciado com índices bem abaixo dos atuais. O grande desafio do petista é contrariar as previsões e decolar para alcançar números maiores – ultrapassar o limite de votos da oposição em Feira. Além disso, aposta no poder de convencimento do governador Rui Costa para contar com o importante apoio de Carlos Geílson.
O prefeito Colbert Martins Filho aparece em animadora segunda colocação, com 14,1%. A seu favor o fato de o cabo eleitoral mais desejado da política feirense ainda não ter entrado em campo oficialmente. O ex-prefeito José Ronaldo é, sem dúvida, um fiel nessa balança. Com seu apoio declarado, a tendência é de um expressivo crescimento dos números de Colbert nas próximas pesquisas.
Quem também tem motivos para se animar é o deputado estadual Targino Machado (DEM). Mesmo sem até hoje ter admitido ser pré-candidato, o parlamentar pontua com representativos índices, em um empate técnico com Colbert.
Evidentemente que Targino está satisfeito. Tem dito, que uma candidatura, caso ocorra, deve ser respaldada pelo desejo popular. Palavras do deputado estadual mais bem votado da história de Feira de Santana, com 42.200 votos em 2018.
A deputada federal Dayane Pimentel foi citada por 10,4% dos consultados na pesquisa. Ainda surfa na já combalida e desgastada popularidade de Bolsonaro. Se o governo federal decolar, é nome a ser respeitado. Caso Jair Bolsonaro siga essa tendência de queda de popularidade, leva consigo as aspirações da deputada.
O ex-deputado Carlos Geilson ficou com a quinta colocação. Obteve 7,8%. É pré-candidatíssimo. Não se sabe, porém, se terá fôlego para chegar até outubro de 2020 com o nome na cédula de votação. Mas tem andado e conversado em busca de mais musculatura para a candidatura.
O professor Jhonatas Monteiro, do PSol, aparece com 5,5%. Número que pode incentivar o desejo de muitos companheiros de legenda de vê-lo na disputa de uma vaga na Câmara de Vereadores em 2020. Nada está definido, ainda pelos lados de lá.
O suplente de deputado Angelo Almeida aparece com 2,8%. Vem em crescimento, mas nada, ainda, que tire o sono dos adversários.
Embora falte mais de um ano para a eleição municipal, essas pesquisas servem como parâmetro.