Segurança pública, definitivamente, não é o forte do governo do estado na Bahia. Saiu Jaques Wagner, entrou Rui Costa e a situação continua alarmante. Dados divulgados na segunda-feira (5) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública apontam que dos dez municípios mais violentos do país, quatro são da Bahia. Em Feira de Santana a situação não é nada diferente. Para piorar, ainda retiraram uma companhia da Polícia Militar da sede e levaram para o distrito de Humildes.
Simões Filho, na região metropolitana de Salvador, aparece no estudo com a quarta maior taxa de homicídios do país, com quase 120 assassinatos a cada 100 mil habitantes. O avanço do tráfico de drogas é considerado um dos principais motivos desse índice. Aliado à inoperância do governo do estado.
Foi o que mostrou o Atlas da Violência, que tem como base dados do Ministério da Saúde e que levou em consideração todas as cidades brasileiras com mais de 100 mil habitantes no ano de 2017.
Além de Simões Filho, outras quatro cidades baianas apareceram entre as vinte mais violentas do país: Porto Seguro, Lauro de Freitas, Camaçari e Eunápolis.
Em nota, a Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) informou que não comenta dados de pesquisas, porque não tem acesso à metodologia usada. Quando não há o que dizer, melhor se calar mesmo.
Sobre a situação em Feira de Santana, o ex-vereador Magno Felzemburg acaba de acionar o Ministério Público para impedir a redução de 4 para 3 do número de companhias da PM na cidade. “Vamos buscar o apoio do MP para impedir esse absurdo. Feira de Santana, infelizmente, apresenta números assustadores da violência e ao invés de aumentar o policiamento, o governo do estado reduz”, observa Magno.