O experiente radialista Valter Vieira é o entrevistado dessa segunda-feira (19), na série com profissionais de imprensa de Feira de Santana avaliando o cenário político local. Para Valter, que também é presidente do Sindicato dos Radialistas, acabou “aquele jeito antigo de fazer política, do meu compadre, minha comadre, do tapinha nas costas, do se eu me eleger vou arranjar um emprego pra você ou pra alguém de sua família”.

“No campo político Feira de Santana sempre viveu uma constante ebulição. Tivemos aqui vários políticos de destaque estadual e nacional. Nos últimos 20 anos, mais ou menos, estamos convivendo com uma acomodação política, no sentido de que um grupo se mantém no poder nesse período. A oposição aparece de quatro em quatro anos ou de dois em dois anos, nas disputas estaduais ou municipais, um discurso ali, outro discurso aqui. Nos tempos atuais a internet se tornou muito importante para a mudança de um paradigma social. Veja o que aconteceu na disputa para a presidência da República nas eleições do ano passado. Os movimentos populares se posicionando com relação à corrupção. O desgaste político é alto. Então os políticos terão que se repaginar. O que nós esperamos nas disputas do próximo ano, das eleições municipais, é que os políticos apresentem propostas que possam ser concretizadas. Não é jogar propostas e mais propostas sem esclarecer de onde virão os recursos para que aquele projeto ou aquela obra se torne realidade. Então nós vamos ter um modelo novo de disputa. Aquele jeito antigo de fazer política, meu compadre, minha comadre, um tapinha nas costas, se eu me eleger vou arranjar um emprego pra você ou pra alguém de sua família, isso ficou para trás, não tenho a menor dúvida. Ou se repagina, ou se atualiza, ou entende que a conversa vazia não tem espaço, ou então não terá sucesso, se não entrar nesse momento que estamos vivendo. Ainda me referindo a esse cenário de acomodação na política feirense, de um grupo há 20 anos no poder na prefeitura de Feira de Santana, ainda tem o aspecto da Câmara de Vereadores. A Câmara vai passar por uma renovação, como aconteceu no cenário nacional, na Câmara Federal, no Senado, e também nas Assembleias Legislativas. O papel do vereador perante a expectativa da população. Aquele candidato que não apresente à população o que pretende desenvolver na Câmara Municipal dentro da sua prerrogativa de fiscalizar o Poder Executivo, se pensar só em indicação, em projetos que não despertam interesse para a população, não vai obter êxito. Outro detalhe: a representatividade política da cidade no cenário estadual e federal também será discutida e outros temas de relevância irão passar pela discussão das eleições ano que vem em Feira de Santana”.