A vereadora Aldiney Bastos, Neinha (PTB), abordou um assunto que provoca insatisfação, sofrimento e mortes: a famigerada regulação. Ela não economizou críticas à Central de Regulação do Estado. Para Neinha, "é a fila da morte que continua".
“Gostaria de pedir ao presidente da Casa que possamos fazer uma visita aos PFSs e policlínicas da cidade. Eu e o vereador Roberto Tourinho. Saúde é direito do povo e dever do Estado. Nery – vereador Alberto Nery - trouxe uma colocação que meu coração gelou: será que a saúde, da ponta para baixo, está bem? O que foi feito pelo Estado em Feira? Nada. O que salva vidas é atitude e não reformas. A fila da morte continua, ela escolhe quem vai viver e quem vai morrer”, pontuou.
Neinha falou para os familiares de pacientes que estão nas policlínicas ou UPAs, à espera da regulação. “Procurem o Ministério Público, vão lá e denunciem. Levem os documentos dos pacientes. Porque esses locais não podem absorver o paciente por 24 horas. Pronto atendimento tem acontecido em Feira, mas continuar internado na Policlínica e UPA não pode. Paciente grave precisa ser transferido. Recebi ligação da esposa de um homem que quebrou o pé e a Central de Regulação transferiu para outra cidade, que não Feira. Uma fratura de perna, foi para Irecê”, relatou. 

Segundo Neinha, o direito do povo não está sendo respeitado. “Enquanto a Justiça prevalecer, vá para cima. Quantas pessoas morreram no final de semana, quantos acidentes? Isso é perda para nossa cidade. O Hospital da Mulher está lotado. Eu nunca vi transferir pessoas de Feira ou região para outras cidades. O Estado abandonou Feira, sim. Reforma não adianta nada. Não estamos falando de cidade pequena não, estamos falando da segunda maior cidade do Estado. Gostaria de pedir a atenção do MP em relação a isso. Vai continuar assim? Precisa ter um coração separado para cuidar do povo de Feira de Santana”, concluiu.