As manchetes de jornais e sites de notícias veiculadas no dia 18 de setembro me inspiraram a escrever este artigo. O site nacional Brasil 247 publicou: “Bolsonaristas temem vexame de Bolsonaro na ONU e pedem que ele fique no Brasil”; Jornal Folha de São Paulo: “Direita pró-Bolsonaro também racha no meio empresarial”. Outros jornais da grande imprensa também se referem em vários artigos aos problemas do governo, mas vamos ficar nesses dois citados. O Brasil que tinha conquistado liderança, respeito e admiração mundial com o presidente Lula, e depois com Dilma, retrocedeu com a eleição de Jair Bolsonaro, um inexpressivo deputado federal, sem conteúdo político, sem projetos, sem conhecimento da realidade nacional, um zero à esquerda em economia, mas um vendedor de ilusões e um brutamontes defensor e admirador de torturadores e ditadores e incentivador da violência. Não deu outra. Nos poucos meses à frente do governo federal, Bolsonaro mostrou a sua farsa e sua cara suja de sangue e ódio, e atirou para todos os lados, atingindo até os seus seguidores, que começam a pular fora do barco. Como não tem conteúdo político, cultura e educação, é visto no mundo todo como um energúmeno, um paspalhão, um fascista e louco, misógino, e incapaz de articular um pensamento inovador. Mas, não é apenas fora do país que é visto assim. Internamente também se tornou rapidamente um “persona non grata” para a maioria do nosso povo. Como consta nas manchetes dos jornais e sites citados, os seus próprios seguidores, antes apaixonados pelo “mito”, agora têm vergonha dele e apelam para que desista de comparecer à reunião da ONU para não envergonhá-los ainda mais. Os empresários, principais financiadores de sua campanha e eleição, racham e começam a desmontar do “cavalo paraguaio” que leva o país ao fundo do poço e vai quebrar a todos. O governo Bolsonaro mal começou e já se aproxima do fim, deixando para trás um rastro de desemprego e misérias, aumento da violência no campo e nas cidades, desmonte do estado nacional com o entreguismo das principais estatais e quebradeira geral. O governo Bolsonaro é uma vergonha nacional. Temos o dever de denunciá-lo e ajudar a por a última pá de cal e fechar essa trágica experiência, para florescer um novo tempo de paz e desenvolvimento.

Messias Gonzaga é bioquímico e ex-vereador