“O homossexualismo é comportamental. A pessoa não nasce ladrão. É a mesma coisa do homossexualismo”. A declaração é do polêmico vereador Edvaldo Lima. Em entrevista exclusiva ao Protagonista, o parlamentar diz o que pensa do homossexualismo, diz que já foi hostilizado na rua e revela se ser considerado polêmico causa incômodo ou não. A entrevista foi dividida em duas partes. Amanhã (sexta-feira, 13), ele diz que é alvo de perseguição na Câmara e que a política é lugar de muita inveja,

O Protagonista – O sr já enfrentou algum tipo de reação agressiva nas ruas por suas posições conservadoras?
Edvando Lima – Sim, já fui hostilizado na rua. Eu estava em frente ao Banco do Brasil da avenida Getúlio Vargas e fui abordado por pessoas LGBT. Fui questionado e até xingado. Minha postura, na ocasião, foi dizer que ali não era lugar adequado para uma discussão e recomendei que me procurassem em meu gabinete, onde poderíamos falar sobre qualquer assunto.  

O Protagonista – Qual seu posicionamento sobre homossexualismo?
Edvaldo Lima – Eu penso que homossexualismo é comportamental. Não é doença. A pessoa não nasce ladrão, mas depois o cidadão, pelo meio que vive ou da sua própria índole, vai assaltar, matar. É a mesma coisa do homossexualismo. Ele não nasce gay, não nasce viado. Nasce um homem como qualquer outro. Só depois que ele vai escolher ser homossexual. Isso vai de encontro ao que diz a Bíblia. Em Genesis, capítulos 26 e 27: “E Deus criou macho e fêmea”. E em Levíticos, capítulo 18 22: “o homem não pode deitar com outro homem, como se fosse uma mulher. É abominável. Está lá na Bíblia. Eu sigo a Constituição Universal, que é a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada.

O Protagonista – Esse rótulo de polêmico lhe incomoda?
Edvaldo Lima – Dizem, onde eu ando, inclusive na Igreja, que sou polêmico, mas do bem. Dizem para eu continua assim. Recebo apoio. Me vejo como um guerreiro, lutador em defesa do bem. Se isso for polêmica, então me considero polêmico.