União. Essa é a fórmula para o partido dos Trabalhadores chegar à Prefeitura de Feira de Santana e aumentar sua representatividade na Câmara Municipal – atualmente conta apenas o vereador Alberto Nery. É o que pensa Ivannide Santa Bárbara, reeleita presidente do Diretório Municipal do PT feirense, em eleição realizada no domingo (8). Ao Protagonista ele avalia, também, se o lançamento da candidatura do deputado Zé Neto a prefeito foi prematura.

O Protagonista - Reeleita, quais seus objetivos à frente do Diretório Municipal do PT, às vésperas de uma eleição?
Ivannide Santa Bárbara - Os objetivos nossos continuam no sentido de fortalecer o partido internamente. Eu quero aproveitar a oportunidade para agradecer o apoio que nós tivemos, que foi responsável por uma votação expressiva no PED. Isso significou que a compreensão, o reconhecimento da companheirada de que o partido segue unido com um mesmo viés, no mesmo caminho. O que a gente quer é essa união, a unidade interna do partido, para que possamos sair fortalecidos e com um discurso unificado para o diálogo com outros partidos visando as eleições de 2020.
O Protagonista - Qual a receita para voltar a aumentar a representatividade do partido na Câmara?
Ivannide Santa Bárbara - A receita do nosso ponto de vista da representatividade é esse fortalecimento interno. A junção de ideias, consenso. Não é novidade para ninguém que o PT é um partido plural, que tem vários grupos com ideias diferenciadas, mas nesse momento comemoramos a junção de ideias, o consenso, para que tenhamos uma chapa forte de vereadores que irá sacramentar essa representatividade do PT em Feira no ano 2020.
O Protagonista - E a candidatura do deputado Zé Neto a prefeito? Alguns acham prematura... O que você acha e o que o partido fará na campanha?
Ivannide Santa Bárbara - Em relação ao companheiro Zé Neto, o partido tem convicção de que temos um momento propício para dirigir Feira de Santana, para eleger o prefeito do município. E o nome do companheiro Zé Neto é o que temos construído ao longo dos anos. Eu acho que não houve lançamento prematuro, não. Acho que o partido lançou o nome de Zé Neto no momento correto, pois precisávamos dizer que o partido tinha, e tem, esse nome para dirigir Feira de Santana. O resultado das pesquisas tem demonstrado que a população aceitou, a sociedade vem mostrando que estava na hora de o PT lançar esse nome. As pesquisas comprovam que nós acertamos em lançar o nome de Zé Neto. Sobre o resultado da eleição, isso é outra questão. Estamos construindo esse caminho de dialogar, de conversar com o eleitor. Me parece que foi correto termos tomado essa postura política.
O Protagonista - Qual avaliação você faz atualmente do PT em Feira de Santana?
Ivannide Santa Bárbara – O PT em Feira de Santana tem feito o que é possível. Em nível nacional não tem sido fácil o preconceito, a retaliação, os reflexos desse golpe que tiraram Dilma da Presidência da República. As classes dominantes resolveram vim para cima do PT. Essa miragem de direita e extrema direita tem vindo para cima com discurso de ódio e preconceito, então tem sido difícil para todos nós. Temos feito o que é possível, temos colocado o partido nas ruas com o movimento social, que foi da maneira que o partido se constituiu. Temos também feito as críticas à gestão e acho que podemos fazer ainda mais. Com essa unidade que conseguimos, com essas forças todas juntas, vamos dar uma alavancada maior para que o partido apareça mais na cidade.
O Protagonista - Fale um pouco do seu histórico dentro e fora do PT...
Ivannide Santa Bárbara - Minha vida fora do partido não tem nada de muito interessante. Eu sou uma pessoa oriunda da camada popular em Feira de Santana. A partir da década de 80 eu já fazia movimento sindical, entrei no partido em 1982, embora o registro seja de 1984 por causa do recadastramento. Durante esse tempo fizemos formação política, movimento sindical com diversos companheiros e pretendemos nos manter enquanto der para pensar e falar.