O ex-deputado Carlos Geilson, depois que anunciou o desejo de sair do PSDB, tem sido cortejado por várias legendas. Muitas paqueras, mas até agora nada de compromisso sério.
Um exemplo disso aconteceu na quinta-feira (24). Ele foi convidado a ingressar no PDT do vereador licenciado e secretário municipal de Desenvolvimento Social, Pablo Roberto.
Em contato com o Protagonista, Geilson confirmou a “paquera”. E confessa que estuda a proposta. “Fui convidado a ingressar no PDT, sim, e estamos analisando”, revela.
Mas esse “compromisso” com o PDT de Pablo tem uma barreira. Como no romance Romeu e Julieta, do autor William Shakespeare, quando os enamorados eram proibidos de se relacionar devido à rivalidade das famílias Montéquio e Capuleto, Geílson e Pablo, hoje, estão em lados opostos no tabuleiro da política feirense.
Na história real feirense os Montéquio e os Capuletos são representados por José Ronaldo e Rui Costa. Pablo segue no grupo do ex-prefeito. Hoje é um dos secretários mais próximos do prefeito Colbert. Já Carlos Geílson, depois que rompeu com José Ronaldo, logo após as eleições de 2018, foi nomeado ouvidor geral do Estado, cargo do governador Rui Costa.
Sobre este “namoro impossível”, o secretário Pablo Roberto disse, ao site Rota da Informação, que realmente convidou Geilson para o PDT, mas lembrou a fidelidade a Colbert. “Uma luta por vez, mas o projeto é Colbert”, disse ao site.
E essa fidelidade de Pablo a Colbert é outro empecilho. Geilson não esconde de ninguém a pretensão de ser candidato a prefeito em 2020. No PDT, esse desejo, atualmente, esbarraria no compromisso de Pablo apoiar Colbert à reeleição.
VOLTA AO RONALDISTAS - Perguntado se poderia estar de volta ao grupo do ex-prefeito Ronaldo, Carlos Geilson deixou a caixa das especulações aberta: “Política é um campo fértil para especular, você não está errado, não. Vai que acerta”, disse ao site Rota.
E enquanto Geilson não assume compromisso sério com nenhuma legenda, as outras “paqueras” seguem rolando. Olhares carinhosos trocados com o PSD, de Otto Alencar. Um caminho cada vez mais coerente para o radialista.
(Foto: assessoria de Carlos Geilson)