- A sessão dessa segunda-feira (21) na Câmara Municipal de Feira de Santana foi quente.
- Teve mais bate-boca a dar e vender. E olha que a eleição municipal só será ano que vem.
- Um dos duelos foi entre os vereadores Lulinha e Cadmiel. A chapa esquentou.
- Teve até vereador mandando o colega “se arrombar”. Pelo menos foi fora do microfone.
- Em outro embate, Edvaldo Lima criticou Lulinha por se mostrar favorável ao casamento gay.
- Lulinha deu a resposta. Chamou Edvaldo de homofóbico. Será eu não tinha outro assunto na pauta?
- Enquanto isso a SEDESO orienta funcionários dos CRAS a atender melhor o público LGBT.
- Na “cartilha”, orientação para evitar “intimidades” com o público – essa parte eu não entendi.
- Ainda segundo as orientações, os funcionários dos equipamentos devem tratar o público LGBT pelo nome social.
- O PSL mostra que todos, por lá, são bons de tiro. Chumbo grosso nas redes sociais. Gorda pra cá, bicha pra lá.
- Enquanto isso, o óleo se espalha nas praias nordestinas.
- Qual o futuro político da deputada Dayane Pimentel e seu marido Alberto? Essa é a grande pergunta do momento.
- Tem muita gente no Paço Municipal Maria Quitéria rindo à toa com a troca de chumbo entre os Pimentel e os Bolsonaro.
- Comentário de um governista ao Protagonista sobre o fuzuê entre o casal Dayane/Alberto Pimentel e Eduardo Bolsonaro: “Ela deu nota 5 ao governo de Colbert, que tem trabalhado muito em Feira. E o mandato dela, que nota merece?”
- Crianças seguem sendo exploradas por adultos inescrupulosos no Mercado de Arte Popular.
- Exploração infantil disfarçada de venda ingênua de doces.
- Conselho Tutelar e Conselho Municipal da Criança e do Adolescente precisam descruzar os braços.
- O PSD em Feira de Santana deve receber importante adesão nas próximas semanas. Gente de peso. 2020 é logo ali.
- Vereadores, policiais, deputados, empresários, profissionais de imprensa, enfim, muita gente na audiência pública para tratar de violência em Feira.
- Aí o Centro de Abastecimento virou o foco. O problema é que se conversa como nunca, mas resolve-se nada como sempre.
- E seguem as tentativas do Avante de empurrar João Henrique goela abaixo do eleitorado feirense.
- Missão difícil. Para não dizer impossível. Essa graça nem Irmã Dulce consegue.

Nota 10 – A volta dos shows musicais no Mercado de Arte Popular, aos sábados.

Nota 0 – O atendimento na UPA estadual, localizada ao lado do Clériston Andrade. Ali, segundo as muitas queixas, a população é tratada como bicho.

Vou ali, que por hoje só amanhã!