A deputada federal feirense Dayane Pimentel (PSL), pré-candidata à Prefeitura de Feira de Santana, o marido Alberto Pimentel e o comando do partido no estado, foram denunciados no Ministério Público Federal (MPF) na terça-feira (14) pelo suposto lançamento de uma candidatura fantasma nas eleições de 2018.
De acordo com o conceituado site político Bahia Notícias, do jornalista Samuel Celestino, a denúncia elaborada pelo vereador de Vitória da Conquista David Salomão (PRTB) acusa o comando do PSL baiano de lançar uma falsa candidatura de Luiza Caroline dos Santos Barbosa ao cargo de deputada federal como forma do partido alcançar os 30% da cota de gênero determinada pela Legislação Eleitoral no último pleito. 
Residindo nos Estados Unidos, Luiza Caroline não teria passado pelo Brasil durante todo o período eleitoral e muito menos feito campanha. 
Capturas de tela de uma rede social da candidata mostram que a postulante pediu votos para a concorrente Priscila Chammas, candidata do Novo à Câmara Federal. Luiza Caroline investiu um pouco mais de R$ 1 mil na própria campanha e conquistou 600 votos. 
São citados na denúncia ainda o vice-presidente do PSL na Bahia, Antonio Olívio Vasconcelos, e o 1° secretário, Magno Felzemburg. Autor da denúncia, David Salomão já entrou em rota de colisão do PSL-BA e a presidente estadual Dayane Pimentel outras vezes. A deputada federal move um processo por calúnia contra o vereador.
Resposta - O secretário geral do PSL na Bahia, Alberto Pimentel, marido de Dayane, chamou as denúncias de infundadas. O também secretário da gestão do prefeito ACM Neto (DEM) disse que o PSL teve apenas quatro candidatos, dois homens e duas mulheres, e, por essa razão, não precisaria de uma candidatura fantasma para atingir a cota eleitoral. 
“Se tirássemos uma mulher, ainda assim a cota estaria dentro dos 30%, pois nossa candidata eleita foi a presidente do PSL na Bahia, a deputada Dayane Pimentel”, declarou Alberto ao Bahia Notícias. 
“Durante a campanha, atacaram-nos, dizendo que havíamos cortado candidaturas femininas para Dayane ser a única candidata. Agora nos atacam covardemente dizendo que colocamos candidaturas falsas. São argumentos falaciosos e contraditórios. Para fazer sentido, a acusação teria que ser uma coisa ou outra, correto? Por fim, se a citada na matéria Luiza Caroline veio a ser candidata e viajou para os EUA depois que registrou candidatura, não avisando ao TRE e ao PSL, só posso dizer que as pessoas são livres. Ela investiu pouco mais de mil reais do próprio dinheiro e obteve cerca de 600 votos, o que pode ser verificado por qualquer cidadão em consulta ao site da Justiça Eleitoral”, argumentou Alberto.
“Quanto ao vereador David Salomão, de Vitória da Conquista, ele foi derrotado na coligação por Dayane e ficou na segunda suplência. Ele quer somente aparecer à custa de ataques infundados à deputada”, atacou Alberto Pimentel.