Um áudio atribuído à deputada federal Dayane Pimentel pode ser a prova de que a relação entre a parlamentar e o seu grande cabo eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro, azedou.
Em uma conversa com outros membros do PSL, Dayane confirma que não compareceu à votação que definiu a permanência do deputado Delegado Waldir (GO) como líder do PSL na Câmara. Um dia antes, com a ajuda de Bolsonaro, aliados do Palácio do Planalto tentaram destituir Waldir do cargo e substituí-lo pelo deputado Eduardo Bolsonaro (SP), filho do presidente Bolsonaro. A manobra não deu certo.
Alguns deputados do PSL ou votaram contra os interesses de Bolsonaro ou simplesmente lavaram as mãos e não compareceram à votação. Resultado: derrota do presidente e seus filhos.
No áudio vazado, a deputada Dayane diz que faltou à votação propositalmente, insinuando que foi para não ter que votar a favor de Bolsonaro e seus interesses. A abstenção da deputada ajudou a derrotar o presidente.
São usadas palavras de baixo calão por parlamentares do PSL, em referência a Bolsonaro: “Nos trata como cachorros e só nos procura quando quer f... com alguém”, diz um deputado. Dayane participa ativamente das conversas, que mostram claramente um grupo de rebelados se insurgindo contra o presidente.
Uma postura estranha e surpreendente, uma vez que em sua campanha a deputada, Dayane se apresentou como representante de Bolsonaro na Bahia – ela é a presidente do Diretório Estadual do PSL. Ele mesmo gravou participações nos programas de tv, rádio e mídias sociais confirmando a parceria.
A eleição de Dayane se deve, sim, ao apoio de Bolsonaro. Afinal, a professora, até as eleições de 2018, era uma figura desconhecida no cenário político baiano - e até mesmo feirense.
A deputada e seu marido Alberto Pimentel vivem um processo de desgaste e isolamento. Ele, que é secretário do Trabalho no governo de ACM Neto (DEM) em Salvador, enfrenta uma fritura nos bastidores. Dizem que sua cabeça no governo está a prêmio.
Em Feira de Santana, sua terra natal, a deputada segue quase tão desconhecida como antes das eleições de 2018. Não consegue decolar nas pesquisas sérias divulgadas até aqui.
Está em rota de colisão com o governo municipal e o grupo do ex-prefeito José Ronaldo. Recentemente agravou a já frágil relação com o Paço Municipal ao dar uma nota 5 ao prefeito Colbert e seu governo. Declaração até hoje não digerida pelos governistas. Dayane tem sido ignorada em eventos oficiais.
Enfim, para quem diz que é pré-candidata à Prefeitura de Feira de Santana, Dayane Pimentel parece ter cuspido pra cima ao contrariar os interesses do presidente Bolsonaro e sua família.
Linha dura como é, Bolsonaro dificilmente esquecerá da punhalada nas costas dada pelos Pimentel. Mesmo com a popularidade em baixa, o presidente ainda tem força e dificilmente vai botar Dayane debaixo do braço como sua candidata preferida à Prefeitura de Feira de Santana. A menos que tire um coelho da cartola, a deputada Dayane e seu marido Alberto enfrentam um inferno astral político.