Sobre a nota 'Mudança brusca', publicada pela coluna Raio Laser, da Tribuna da Bahia, o deputado estadual Targino Machado (DEM) classificou como equivocada a publicação e pediu respeito ao trabalho desenvolvido por ele, enquanto Líder da Oposição, e ao bloco oposicionista.
Em discurso na quarta-feira (2), Targino ressaltou que tem atuado no sentindo de destravar as atividades no plenário e destacou os avanços que estão ocorrendo, especialmente em relação a produção legislativa e maior debate sobre as matérias que tramitam na Casa.
Sobre o Fundo Estadual de Segurança Pública, aprovado por unanimidade, o deputado destacou que a oposição foi, sim, favorável ao projeto, que trará benefícios ao Estado. Por fim, disse confiar no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). "A sentença que for exarada daquela Corte será uma sentença tradutora de justiça real", frisou.
A nota insinua que Targino apoiou aprovação de projeto de interesse do governo estadual devido a interesses. “Deputados de oposição se surpreenderam com a postura de seu líder na Assembleia Legislativa, Targino Machado (DEM), normalmente um oposicionista fervoroso. Além de pedir dispensa de formalidades para acelerar a votação do Fundo Estadual de Segurança, reivindicou ao presidente da Casa, deputado Nelson Leal (PP), a relatoria do projeto do executivo, no que foi aceito, e, para completar, fez um apelo à própria bancada para que votasse em peso pela aprovação da matéria. Logo, colegas passaram a atribuir a brusca mudança de comportamento do líder à difícil situação que enfrenta na Justiça Eleitoral, onde tramita uma ação que pode custar seu mandato de deputado”.
Veja abaixo o discurso do parlamentar na íntegra:
Nunca me contrapus à opinião de jornalista, porque muito pior do que uma opinião que me contrarie, que contrarie meus interesses, é a ausência de opinião. Assim sempre pensei. Nunca pedi direito de resposta e nestes vinte e um anos de deputado ácido nas críticas, já apanhei muito, e muito já bati, mas tenho certeza que trago nas costas mais marcas dos açoites, e vou continuar desta forma, agindo.
Minha história nestes quase vinte e um anos como deputado estadual – sempre de Oposição, o que é um ato heroico, mas não quero aplausos, pois estou cumprindo o que determina os meus princípios – sempre exerci o meu mandato como um crítico ácido, por vezes, e até passando do ponto nas críticas dos governos, mas com coerência. Gostando ou não de mim, as pessoas não podem retirar o valor da coerência da minha atividade política.
Ações como o do Líder da Oposição têm sido no sentindo de destravar as atividades no Plenário, e tenho percorrido com muita coerência, também, atrás deste desiderato que tracei para a nossa liderança.
Orgulho-me dos avançamos que aqui conquistamos. Orgulho-me por ter participado, juntamente com o Líder do Governo, Rosemberg Pinto, do estabelecimento de uma nova prática nesta Casa: em direção do resgate da imagem do Parlamento.
Assim quero marcar a minha passagem na Liderança da Oposição. Não é de outra forma.
Estamos vivendo um novo tempo, com produção legislativa efetiva nesta Casa.
Por diversas vezes votamos projetos oriundos do Poder Executivo, do Ministério Público, do Poder Judiciário com dispensa de formalidades. Continuaremos votando esses projetos sempre que entendermos que estes serão importantes para a Bahia e os baianos.
Não mais estamos verificando nesta Casa, e isso as pessoas e a imprensa precisam enxergar, a votação de projetos mediante Regime de Urgência, que foi a prática nos últimos doze anos, sem dar ensejo às discussões destes nas comissões temáticas, ou seja, graças a compreensão do Líder do Governo não mais estamos verificando os atalhos regimentais que tanto depreciavam a imagem do Poder Legislativo.
Não queremos ser notícia pela briga de figurantes desse Legislativo ou até mesmo entre os líderes de uma bancada ou de outra. Isso não fará bem à nossa história.
Quero continuar sendo útil à Bahia e aos baianos no desenrolar do nosso mandato.
A publicação do prestigioso jornal Tribuna da Bahia, em sua coluna Raio Laser neste dia dois de outubro, sobre mim, com o título “Mudança brusca” foi equivocada. Quero pedir respeito aos deputados de Oposição, que foram achincalhados na publicação. O homem precisa ser homem e sair do biombo para ter coragem de apontar o dedo e falar, e não se esconder atrás de prerrogativa de função, que é o caso da prerrogativa do jornalista de não revelar a sua fonte.
Solicito ao nobre jornalista que escreveu a citada nota, que não deve ter ouvido ou visto o que aconteceu na sessão desta última terça-feira, e que pode ter sido mal informado, que já que não quer respeitar a minha história como político, como homem, por favor, respeite os demais deputados de Oposição e não queira espalhar a dúvida dentro da bancada, porque In dubio pro reo: a dúvida só favorece o réu, e não é na bancada de Oposição e do Governo que estão os réus. Réu é quem não tem responsabilidade com a sua lavra, porque quem escreve um parecer ou quem escreve em uma coluna precisa ter responsabilidade.

Por favor, também, nobre jornalista, respeite a Justiça da Bahia. Respeite o TRE, pois o meu julgamento naquela Corte será um julgamento jurídico e não um julgamento político, como o jornal Tribuna da Bahia aponta, como essa nota infeliz indica. A sentença que for exarada daquela Corte será uma sentença tradutora de justiça real.