Nessa terça-feira (01/10) transcorre o Dia do Vereador. Na Câmara Municipal de Feira de Santana a data não passou em branco e foi oportunidade para desabafos. Vários depoimentos na tribuna da Casa. Teve anúncio de pré-candidatura à reeleição, declarações polêmicas, alfinetadas e, claro autopromoção. A seguir, alguns trechos dos discursos de vereadores.
Alberto Nery – "Vereador não é um executor de obras, de ações. O que podemos é reivindicar melhorias, fazer as reclamações, como porta voz da comunidade”. Ele destacou o projeto “Ouvindo Feira”, realizado em parceria com o deputado estadual Robinson Almeida e o deputado federal Zé Neto que tem o objetivo de escutar as demandas da população “in loco”.
Marcos Lima - Estendeu os agradecimentos aos familiares, amigos, assessores e eleitores por terem contribuído, direta e indiretamente, com os seus dois mandatos de vereador. Externou, também, gratidão aos colegas pela convivência respeitosa e pela troca de ensinamentos.
José Carneiro – Presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana, o vereador lembra que mais que celebrar e trocar saudações, a data é também para que seja feita uma profunda reflexão sobre o verdadeiro papel do vereador na sociedade, haja vista que é o elo entre a população e poderes Executivo e Legislativo. “Sabemos que vivemos um momento ruim para o político, mas temos que separar o joio do trigo e reconhecer que o vereador, seja ele de qual cidade for, é a autoridade que está presente em todos os momentos, em todos os lugares, principalmente atendendo aqueles que têm dificuldade de manter contato e resolver problemas com o Executivo”.
Neinha Bastos - “É uma honra estar aqui com vocês. Fazer mais para o meu povo é a minha maior missão. Legislar não é uma coisa fácil, acabamos absorvendo muitos problemas, porém resolvê-los é satisfatório. É duro e sofrido, mas no final Deus dá a vitória”, afirmou. “Muitos lutaram para ver minha derrota. O homem pode articular, mas a última palavra vem de Deus. Sou vereadora de fato e de direito, porque assim quis o Senhor. A minha vida e meu mandato são canais de bênçãos que o Deus todo poderoso tem usado”, destacou.
Lulinha – Destacou que veio da roça e foi camelô. Lembrou que o vereador é procurado a todo tempo pela população e disse ser candidato à reeleição. “As pessoas nos ligam pedindo ajuda, seja para uma troca de lâmpada ou para tapar um buraco e fico satisfeito e feliz em ajudar cada um. Vamos continuar atuantes até quando o povo quiser e sou candidato à reeleição”, garantiu.
João Bililiu - “Ser vereador aqui desperta um sentimento que eu não sei explicar. Não cheguei aqui só. Nesta caminhada árdua é preciso estar com os laços bem apertados com quem realmente se importa com a gente, por isso, eu sou muito grato a vocês. Ser vereador é se preocupar 25 horas por dia. Mas essa rotina louca me deixa feliz. Espero estar aqui com vocês ano que vem. A batalha é grande, mas venceremos”, finalizou.
Fabiano da Van - “O dia do vereador é todo dia. Infelizmente, vejo pessoas criticando os vereadores em redes sociais, mas não sabem o que passamos. Fácil é ficar em casa usando as redes sociais para denegrir (sic) a imagem do vereador. Difícil é sair de casa todos os dias e buscar atender as necessidades do povo. O importante é trabalhar com respeito e responsabilidade, sem passar por cima de ninguém. E, aproveito a oportunidade para adiantar a todos que sou candidato à reeleição”, concluiu.
Isaías de Diogo – “Estar vereador é não ter hora para acordar e dormir, é estar dia após dia buscando solução para os problemas das pessoas. Muitas vezes, fazemos o papel de psicólogo, advogado e outros profissionais”
Gerusa Sampaio – “A Casa da Cidadania acaba sendo a extensão da nossa própria casa. Nós somos o trem, estamos de passagem. Esta Casa é a linha que nos recebe”.
Cadmiel Pereira – “Enquanto agentes políticos, temos o dever de elaborar, discutir e votar em leis para a municipalidade, propondo benfeitorias, obras e serviços para o bem-estar da população, tanto da zona rural quanto da zona urbana”.
Luiz da Feira – “Estou na Casa da Cidadania através das amizades, carinho, amor, abraçando o próximo. Fui um menino que veio da zona rural, chegou com um papelão debaixo do braço para conquistar a vida de camelô. Às vezes vou dormir e penso que estou sonhando ser vereador de Feira de Santana, que foi um milagre, uma benção de Deus”.
Zé Curuca “Conseguimos conquistas importantes para o distrito de Humildes, como instalação de Casa Lotérica, Policlínica 24 horas, escola e ginásio de esporte. Tudo isto através deste humilde vereador, vendedor de coentro. Vereador sem mandato não é nada. Sou pré-candidato à reeleição em 2020”.
Edvaldo Lima “Meu peito se enche de alegria em poder contribuir para o crescimento de Feira. Desde que fecharam a Famfs nossas ruas se encheram de crianças que trabalham debaixo de sol e chuva em busca de alimento. Não podemos enxergar isso como uma coisa normal”.