“O arcebispo Dom Itamar Vian correu risco de morte por ter sido removido de sua residência até o hospital, sem que esperassem a chegada da ambulância do SAMU”. A afirmação, ao Protagonista, é de uma fonte ligada ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, que foi acionado para prestar atendimento quando o arcebispo emérito sofreu um princípio de infarto (meiamais).
De acordo com a fonte, que pediu anonimato, o SAMU foi acionado para atender Dom Itamar. “Mas a ligação telefônica estava ruim. Foi tentado mais de um contato com o solicitante para passarmos orientações. O médico pediu para ligarmos e não conseguimos. Mas, mesmo assim, enviamos a ambulância. No local, constatamos que o paciente havia sido removido por terceiros. Está tudo registrado em nosso sistema”, informa.
A atitude, mesmo com boas intenções, colocou a vida do religioso em risco. “As pessoas pensam, equivocadamente, que o transporte rápido é o que assegura a vida desses pacientes críticos. Não é. Pacientes com essa gravidade, geralmente, precisam serem estabilizados para só após serem removidos”, explica, aproveitando para deixar o alerta à população.
“Poderiam retornar a ligação ao SAMU para receberem orientações até a chegada da ambulância, mas isso não aconteceu”, salienta.
Segundo as últimas informações, Dom Itamar se recupera no Incardio, unidade especializada em coração. Segundo notícias apuradas ontem pelo Protagonista, ele passou mal após receber a notícia da morte de um irmão, que reside no Rio Grande do Sul (leia mais).