Quase um mês após terem sido notificados pela Prefeitura de Feira de Santana para apresentarem, até o dia 15 passado, um projeto de recuperação do prédio Sarkis, tendo como prioridade inicial o escoramento da estrutura, os donos do imóvel não se manifestaram até agora. O prédio segue com danos estruturais e desativado.
Conforme o Protagonista apurou, a Prefeitura já cobrou o projeto de recuperação dos engenheiros contratados pelos proprietários do imóvel. “Estamos cobrando aos engenheiros designados pela família o projeto que será executado no prédio”, informa Pedro Américo Lopes, coordenador da Defesa Civil de Feira de Santana.
A medida foi recomendada por engenheiros contratados pela Embasa, Prefeitura Municipal e dos proprietários do Edifício Sarkis, e apresentada em coletiva à imprensa no dia 31 de outubro, no Paço Municipal.
Como foi - O imóvel foi interditado e isolado pela Defesa Civil em meados do mês de agosto, quando o prefeito Colbert nomeou um comitê gestor formado por engenheiros civis, que resultou na decisão tomada na tarde do dia 31, durante reunião das partes envolvidas, na Sala de Reuniões do Paço Maria Quitéria.
A notificação entregue imediatamente após a reunião aos proprietários do edifício previa ainda que, depois de quinze dias da apresentação do projeto, as obras de intervenção deveriam ser iniciadas.
A Prefeitura ficou de contratar uma empresa especializada para realizar o escoramento do prédio, tendo em vista a manutenção do isolamento e segurança da área. As despesas desta operação seriam custeadas polos donos do imóvel.
Apesar de os levantamentos técnicos serem unânimes quanto o recalque identificado na fundação do prédio, a proprietária Sônia Sarkis questionou a responsabilidade pela ruptura apresentada, comunicando que processaria judicialmente a Embasa, responsabilizando-a pelo vazamento que atingiu a estrutura do edifício. 
Com a chuva, o risco só aumenta. O Edifício Sarkis está situado entre a Praça da Bandeira e o Calçadão da Rua Sales Barbosa.
(Foto: De Olho na Cidade)