Em um bate papo com a imprensa na manhã dessa segunda-feira (30), o prefeito Colbert Filho aproveitou para revelar alguns planos para 2020. O clima foi de confraternização até o assunto girar em torno da relação com o governo do estado. O tom se elevou e o prefeito chegou a fazer uma ameaça: caso o governo do estado não entenda a necessidade de uma nova Rodoviária para Feira de Santana, o governo municipal pode dificultar o trânsito de ônibus intermunicipais e interestaduais no centro de Feira. “Também estamos devolvendo o projeto do Centro de Convenções, refeito, e que o governo do estado ainda nos deve R$ 40 mil reais”, disparou Colbert. Com descontração o prefeito afastou o assunto política da conversa. A exceção foi disser que as portas estão abertas para ex-opositores, como Beldes Ramos. “Outros, certamente, virão”, previu. A seguir alguns assuntos abordados pelo prefeito.

Contato em Brasília – Esses são dias que acontecem sobras do orçamento atual. Hoje a Prefeitura tem algo em torno de R$ 20 a R$ 30 milhões de recursos que vêm de Brasília. Estive à semana passada lá e espero que esses recursos possam vir.
Planejamento – Execução de obras que estão planejadas, financiadas e prontas para pagar. “Mobilidade urbana é o tema principal. Projeto Centro. Shopping Popular, BRT e duplicação de viadutos. Vamos ter um olhar também focado na saúde. Entendemos que fizemos muito e temos que fazer mais”.
Política – Sobre a sucessão municipal e o possível apoio do ex-prefeito José Ronaldo, Colbert desconversou. “2020 é depois de amanhã. Vamos tratar esse assunto a partir de 2020. Esse assunto será resolvido na hora certa”.
BRT experimental – “Teremos ônibus alongados, com ar condicionado. Vai circular experimentalmente, como o metrô de Salvador, para consertar os eventuais problemas que surjam”.
Estação Rodoviária – Pretendemos conversar com o governador, novamente. “Voltar a ter conversas com ele (Rui Costa). Em Salvador a Rodoviária será mudada. Queremos que ele entenda que a Rodoviária de Feira, uma concessão da Sinart, precisa mudar também para um lugar adequado. Em Feira existe uma quantidade grande de ônibus circulado no centro. E podemos, sim, tomar uma medida mais dura, proibindo a circulação de ônibus intermunicipal e interestadual em Feira de Santana. Espero que não precise. Um exemplo é a Micareta, quando ônibus têm que mudar roteiro, etc”.
Beldes Ramos no governo – Os braços estão abertos e os tapetes estão no chão para receber quem desejar vir. Acho que teremos mais gente vindo”.
Relação com o Estado – O estado precisa respeitar Feira de Santana. Precisa melhorar a segurança pública. Precisamos de mais uma companhia da Polícia Militar. Precisa melhorar também na emergência no setor de saúde. O Cleriston Andrade não é de Feira. É hospital regional e foi construído em 1985. Já defasado.
Zona rural – “Manutenção das estradas é o foco. Vamos cobrar da Embasa que coloque água nos distritos”.
Centro de Convenções – Ano passado eu tive a boa fé de receber um recurso de R$ 340 mil do estado. Mas só veio R$ 300 mil. Refizemos o projeto e o governo do estado não pagou, até agora, os R$ 40 mil restantes e tivemos que arcar com essa despesa. Devolvo a ele (Rui Costa) o projeto pronto refeito pela prefeitura”.