O Hospital Geral Clériston Andrade e o Hospital Estadual da Criança estão entre os cinco hospitais estaduais baianos na mira do Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE-BA). Os auditores apontaram diversas irregularidades nas unidades. Alguns absurdos. 
Entre as irregularidades detectadas nos cinco hospitais, em inspeções realizadas entre os dias 9 de setembro e 8 de novembro, estão a ausência de alvarás sanitários, falhas no manejo de lixo hospitalar, superlotação em leitos de enfermaria, UTI e pronto-socorro, além de problemas na estrutura física, como infiltrações nos tetos, goteiras e portas quebradas.
Também foi apontada a ausência de médicos previstos nas escalas de trabalho e falhas de controle nas trocas de serviços acordadas entre os profissionais, por descumprimento dos trâmites previstos.
O relatório produzido pela equipe da Segunda Coordenadoria de Controle Externo (2ª CCE) da Corte será autuado como processo, para sorteio de conselheiro relator e julgamento pelo plenário.
Além do Clériston Andrade e do Hospital Estadual da Criança, os outros quatro hospitais mergulhados em irregularidades são: Hospital Geral Ernesto Simões Filho (HGESF), em Salvador; Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGVC); e Hospital Geral Prado Valadares (HGPV), em Jequié.