Unidades militares do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar em duas cidades próximas tiveram o fornecimento de energia cortado por falta de pagamento. A denúncia é da Aspra (Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia).
Segundo Paulo Fernando da Silva dos Anjos (foto), policial militar e coordenador da Aspra em Feira de Santana e região, a situação aconteceu em Valença e em Amélia Rodrigues. Uma situação vexatória para ambas as instituições, tão respeitadas pela população, “mas que não recebe o devido valor do governo do estado”.
Em contato com o Protagonista, o policial Dos Anjos – seu nome de guerra – alerta para a grave situação “e a desmoralização pública que estes profissionais passam”.
O Protagonista – Onde aconteceram os cortes de energia elétrica em unidades militares?
Dos Anjos - No dia de ontem (terça-feira, 1) houve corte do fornecimento de energia elétrica na sede do Corpo de Bombeiros da cidade de Valença. Já no dia de hoje (quarta-feira, 22) o corte ocorreu no posto da Polícia Militar da cidade de Amélia Rodrigues.
O Protagonista – Como a Aspra avalia essa situação?
Dos Anjos - Nós repudiamos essa situação caótica que vive a segurança pública da Bahia e a omissão do governo do estado em dar condições dignas e respeitosas de trabalho aos profissionais de segurança pública do estado. Nossos governantes precisam respeitar os trabalhadores da segurança pública, pois são estes profissionais que dão a vida pelo povo da Bahia e sem a presença dos policiais militares o estado não funciona.
O Protagonista - Quais os problemas que essa situação causa aos policiais?
Dos Anjos - O primeiro problema é a desmoralização pública que estes profissionais passam; depois vem a falta de uma serviço tão básico como a energia elétrica, tirando desses profissionais a condição de carregar um aparelho de celular, ter uma iluminação dentro de um órgão público, como também a falta desse serviço afeta no desempenho do próprio trabalho do policial e do bombeiro.
O Protagonista – A Aspra pretende ou adotou alguma medida sobre essas situações?
Dos Anjos - A medida imediata da Aspra é dar publicidade ao problema para que os gestores resolvam essas questões com celeridade, pois infelizmente o governo investe muito em propaganda para ter a imagem de bom gestor, mas quando a população toma conhecimento de absurdos como esses percebe que o compromisso do governo do estado com a segurança pública não passa de propaganda.