Com aproximadamente 2 milhões de passagens a menos em 2019, em comparação a 2018, as empresas de ônibus que operam em Feira de Santana reagiram. A redução da frota reserva já foi autorizada pelo governo municipal.
Segundo matéria da prefeitura, a justificativa oficial para a queda do número de passagens é a ampliação da quantidade de motocicletas e também de serviço oferecido por aplicativos. Esqueceram de acrescentar a clandestinidade, que segue alta no município.
As empresas vão reduzir a frota reserva em até 20 ônibus, como forma de adequação da oferta de veículos à demanda de passageiros, “considerando a queda acentuada no quantitativo de usuários nos últimos 12 meses”.
Além da perda de passagens, a prefeitura considera também   que várias  linhas distritais estão sendo operadas pelo Sistema Alternativo e Complementar (STPAC)  que passou a ter responsabilidade e direito de operação  exclusiva em áreas da zona rural, conforme previsto no Edital de Licitação da permissão do serviço, agora  desvinculado da frota convencional do transporte coletivo municipal.
O pleito de ajuste de frota reserva pelas empresas concessionárias, após análise da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito, bem como pela Procuradoria Geral do Município, foi considerado pertinente para o momento.
BRT - A administração municipal entende que a medida de redução da frota reserva das empresas deverá ser de caráter temporário, até que ocorra uma revitalização da quantidade de usuários de ônibus urbanos, algo visto ao alcance, pelos especialistas, com a implantação do BRT, cujo funcionamento experimental é previsto para o final do mês de março.
O sistema BRT, A propósito, implicará na inclusão de uma frota de veículos especiais pelas empresas concessionárias, dotados de ar condicionado, wifi e outros benefícios aos usuários, conforme previsto em contrato de concessão.
A Prefeitura de Feira de Santana afirma que o transporte coletivo oferecido a população não sofrerá impacto na prestação do serviço em nenhuma das linhas. “Todas elas permanecerão sendo atendidas sem qualquer alteração na quantidade de veículos em operação e roteiros estabelecidos pela Secretaria de Transportes”.
(Com informações da Secom)