Entre o Fluminense e o goleiro Bruno está tudo acertado. As bases salariais definidas e aceitas por ambas as partes. O empecilho agora é jurídico.
O Protagonista conversou na tarde dessa segunda-feira (6) com o presidente do Fluminense, deputado estadual Pastor Tom. O parlamentar confirmou o acerto.
Apesar da pressão que vem recebendo de setores da sociedade para não contratar o goleiro, Tom afirmou que empresários e comerciantes da cidade procuraram a diretoria para ajudar a pagar o salário do jogador, preso pelo assassinato da modelo Elisa Samudio, com quem ele teve um filho.
“A dificuldade é, neste momento, jurídica, para transferir Bruno de Minas Gerais para Feira de Santana”, informa o deputado Tom.
“O campeonato começa dia 22 para o Fluminense, quando enfrentaremos o Atlético de Alagoinhas. Já avisei a Bruno e seu empresário que só posso esperar mais uma semana para resolver a situação, porque o campeonato é curto”, explica Tom.
O presidente do tricolor feirense fez uma consulta jurídica e aguarda resposta.
Bruno cumpre pena em regime semi aberto. Pode trabalhar, mas tem que dormir na cadeia. “O advogado dele fez uma petição ao juiz da Vara de Execuções Penais de Minas solicitando a liberação do jogador. O mesmo procedimento será feito aqui, se houver liberação em Minas. Caso tudo dê certo, ele virá para ajudar o Fluminense”, destaca Tom.
Só para lembrar, o goleiro titular do Fluminense atualmente é Rodolfo.