As bases salariais já estavam definidas e acertadas entre o Fluminense de Feira e o goleiro Bruno, mas o entrave jurídico sepultou a negociação entre o jogador e o tricolor feirense. A decisão de encerrar as negociações foi definida na noite de segunda-feira (6) pelo presidente do Flu, deputado Pastor Tom, após consulta a advogados.
A decisão será anunciada na tarde dessa terça-feira (7), em entrevista coletiva convocada pelo presidente do tricolor feirense marcada para o CT localizado no bairro Novo Horizonte.
Uma fonte ligada ao clube informou ao Protagonista que os advogados consultados pelo deputado Tom disseram que o trâmite para liberação do atleta, caso ocorresse por parte do Judiciário, demoraria.
Bruno cumpre pena em Minas Gerais pelo assassinato da modelo Elisa Samudio, com quem o goleiro teve um romance e um filho.
Apesar da pressão que recebeu de setores da sociedade para não contratar o goleiro, Tom estava convicto dos benefícios técnicos e financeiros que a chegada de Bruno traria ao tricolor.
Tom informou, inclusive, na segunda-feira (6) ao Protagonista que comerciantes e empresários de Feira de Santana se ofereceram para ajudar o clube a pagar o salário do jogador.
O dirigente estava disposto a aguardar até mais uma semana pela definição, mas como o Campeonato Baiano é curto e já começa dia 22, quando o tricolor joga contra o Atlético, não haveria tempo para Bruno entrar em forma para atuar no Flu de Feira.
O advogado de Bruno cegou a fazer uma petição ao juiz da Vara de Execuções Penais em Minas Gerais solicitando a liberação. O mesmo procedimento seria feito aqui em Feira, caso houvesse liberação em Minas. Mas o trâmite não teria a rapidez necessária e o deputado Tom resolveu desistir de trazer Bruno. Pelo menos para o Campeonato Baiano.
(Foto: Jornal de Brasília)