Alvo de um vídeo apócrifo (leia mais), o deputado federal diz que vai acionar a Polícia e o Ministério Público para identificar a autoria da Fake News. O parlamentar, anunciado pré-candidato petista à prefeitura de Feira de Santana, mira cargos de confiança do governo municipal: “funcionários públicos com cargos de confiança no município saíram, de forma sincronizada, distribuindo (o vídeo) na cidade, em grupos de WhatsApp”. Em contato com o Protagonista Zé Neto diz o seguinte:
“Em verdade eu vou tomar providências. Todos que forem vítimas de Fake News devem tomar providências. Uma parte do que eles colocaram do vídeo, tudo bem, é da política, eu reconheço. Mas outra parte é invenção, é mentira. Todos sabem, em Feira de Santana, por exemplo, que eu nunca fui contra os viadutos. Apenas fiz críticas, que eram feitas pela UEFS, faculdades, membros da PRF, que conhecem de trânsito, que diziam que os viadutos estavam sendo construídos por cima do contorno e isso não estava tecnicamente correto. Seria correto construir na direção do contorno, pois você não precisaria fazer intervenção, como agora, para duplicar viaduto em função do problema de fluxo de veículos das avenidas, que acabam encontrando ali um gargalo. Nunca fui contra. Eles estão utilizando elementos que criam uma situação que não condiz com a verdade e isso tem nome: Fake News.
E vamos trabalhar na Justiça, na Polícia e Ministério Público para combater. Nesse caso especifico do vídeo, funcionários públicos com cargos de confiança no município saíram de forma sincronizada distribuindo na cidade, em grupos de WhatsApp. Eu posso acusar a prefeitura? Não. Ainda não. Não é isso que quero: sair acusando ninguém. Mas precisamos saber se tem ou não envolvimento de algum funcionário público de cargo de confiança com essa situação. Até porque as imagens que foram utilizadas no vídeo, por sinal muito bem produzidas do ponto de vista técnico, e deve ser caro um vídeo daquele, são imagens usadas em propagandas televisivas do município, e eu estou mostrando à polícia. Então é preciso que a gente comece a fazer essas denúncias e tratar de forma legal e institucional esses assuntos.
No mais, o combate na política faz parte. O embate faz parte. A disputa de ideias faz parte. Agora, a mentira eu acho que temos que combater sob pena de criar um caos. Isso não é bom para ninguém, principalmente para a cidade que precisa debater seus temas. Estamos em período pré-eleitoral e ela (a cidade) espera saídas para seus problemas e não mais pessoas inventando mentiras e inventando situações que não conduzem com a verdade, e fugindo do que é o mais importante: o bom debate”.