O Protagonista ouviu vários experientes profissionais de comunicação de Feira de Santana sobre o anúncio da pré-candidatura do deputado estadual Targino Machado (DEM) a prefeito de Feira de Santana. A maioria reconhece o direito legítimo de Targino postular a cadeira de prefeito, mas analisam que para concretizar esse desejo, é preciso passar pelo crivo do líder do grupo governista, ex-prefeito José Ronaldo.Alguns opinam que pode estar vindo por aí um racha no grupo governista, pois acreditam que o apoio de Ronaldo deve ser à candidatura de Colbert Filho. A seguir, as avaliações. 
Jânio Rego - A pré-candidatura, ou não, do deputado estadual Targino Machado (DEM) a prefeito era  o fato político mais esperado em Feira de Santana por esses dias que antecedem os da “janela partidária” (5 de março a 5 de abril) quando políticos com mandatos poderão mudar de partido.
Visto como uma alternativa a parcela do grupo liderado pelo ex-prefeito José Ronaldo, que não vê o atual prefeito Colbert Martins Filho como uma boa candidatura, Targino ampliou seu campo de apoio ao ponto de diversos diretores e cargos de confiança do governo declararem apoio abertamente ao deputado.
O desgaste de Colbert no governo, em grande parte alimentado por esse grupo ‘targinista’ que tem tentáculos fortes na Câmara de Vereadores e na imprensa, não se deu ao ponto do líder do grupo, José Ronaldo, ser obrigado a buscar outro candidato.
Pré-candidato, Targino faz um estrago no ‘ronaldismo’. Pela primeira vez, há 20 anos, o grupo começa uma pré-campanha fracionado.
Se for candidato, oficialmente, vai retirar votos do campo ronaldista, que também vai sofrer migração para o ex-ronaldista Carlos Geilson, pré-candidato oficial a prefeito pelo Podemos. Situação que, certamente, beneficiará o deputado Zé Neto, pré-candidato oficial do PT.

Juarez Fernandes – Ser pré-candidato é um direito que os políticos filiados a partidos têm. Mas uma candidatura só é oficializada quando é homologada pelo Diretório do partido. Até o momento só há pré-candidatos. O Democratas de Feira de Santana não é formado por uma comissão provisória. Mas, sim, por um Diretório.
Portanto, em Feira de Santana, quem viver verá, o grupo liderado pelo cacique José Ronaldo terá um único palanque, a menos que alguém insatisfeito migre para outra sigla. Vale a pena ressaltar que não existe janela para deputado deixar o partido. A janela é só para prefeito e vereador.
Em Feira de Santana, o controle é de José Ronaldo, que defende uma única candidatura. Não existe candidatura de si próprio. José Ronaldo deve se prenunciar, no momento certo e na hora certa. Na semana passada ele se reuniu cm a base de vereadores com Colbert.
Não há dúvida de quem ele deve apoiar em outubro. Acredito que nenhuma candidatura será imposta ao grande cacique José Ronaldo.
Luiz Santos – Essa pré-candidatura jogou areia no ventilador, água no chopp. Mexe, sim, com a política feirense. Vai ser a mais disputada eleição dos últimos 20 anos. Sempre foi polarizada entre Zé Ronaldo e Zé Neto. Agora tem outras candidaturas nascendo, como Roberto Tourinho ou Ângelo Almeida. Targino foi o deputado estadual mais bem votado da história de Feira e essa decisão mexe com o eleitorado feirense.

Framário Mendes – Aquece um pouco mais a política em Feira. Targino é grande nome. Fica complicado para o grupo do prefeito Colbert Filho, que tem como líder o ex-prefeito José Ronaldo, do DEM. Acredito que Ronaldo não aprove, no momento, a candidatura de Targino Machado, haja vista que não declarou oficialmente, mas seu candidato deve ser o prefeito Colbert. Temos grandes nomes na disputa: Zé neto, Colbert, Geilson, Targino, dentre outros nomes. Vamos aguardar.

Josse Paulo (Paulão) – Mostra o amadurecimento da política em Feira de Santana. A candidatura de Targino garante segundo turno em Feira de Santana. Já temos aí quatro nomes que disputam na ponta: Targino, Colbert, Geílson e Zé Neto. Sabemos que o centro de tudo é o ex-prefeito José Ronaldo de Carvalho, já que 57% de entrevistados nas pesquisas dizem que votam no candidato de José Ronaldo. Targino está convicto e esperançoso e a democracia garante esse direito de ser pré-candidato. Para mim, quem tiver o apoio de José Ronaldo será o prefeito de Feira, eleito em outubro. Ele ainda não decidiu. Entre março e abril ele deve anunciar, como sempre fez.

Jimycley Araújo - Não deixa de ser uma boa opção para o eleitorado feirense. Ainda mais no Democratas e segundo ele com o apoio do prefeito de Salvador, ACM Neto. Mas quero entender duas candidaturas do mesmo grupo liderado pelo ex-prefeito José Ronaldo. Essa é a grade questão: Ronaldo vai se posicionar a favor de quem? Ao pré-candidato do DEM ou ao pré-candidato que ele tinha como vice e se tornou prefeito? Essa é a incógnita. Targino, daqui pra frente, vai arregimentar apoios, em busca de lideranças. E essas lideranças vão ouvir a quem: Targino ou José Ronaldo? Targino, para ganhar musculatura, precisa de apoio, de grupo político. E no momento eu vejo que o grupo político que o apoia é um grupo que depende de ouvir José Ronaldo. Caminhar sozinho ele não vai. Precisa de apoio, de lideranças. Para mim, tudo passa por José Ronaldo de Carvalho.

Osvaldo Cruz – Muda tudo, em meu ponto de vista. Antes era apenas especulação. Existia a expectativa de que José Ronaldo pudesse reverter essa decisão de Targino. Agora, não. Targino chega com aval de ACM Neto, presidente nacional do DEM. Dos dois, um: ou José Ronaldo recua em apoiar Colbert, ou vai haver um rompimento entre Ronaldo e ACM Neto, se ele confirmar a pré-candidatura de Targino em Feira. Já foi um agito geral, uma guinada no processo político em Feira, com esse anúncio de Targino. Sem sombra de dúvidas começa agora a definir tudo aquilo que venho dizendo: o racha do grupo Ronaldista em Feira. E José Ronaldo não vai conseguir a unidade e fica cada vez mais difícil a eleição de Colbert. Porque antes essas cinco candidaturas eram em torno de uma só: José Ronaldo. Agora, existe a fragmentação em cinco pré-candidaturas: Targino, Geilson, Tourinho, José de Arimateia e Colbert. Esses cinco tiram voto de um único núcleo, que é o de José Ronaldo. Por fora, Zé Neto garante uma vaga no segundo turno. O que vamos avaliar agora é uma outra disputa: entre Ronaldo e ACM Neto. Esse é o foco que devemos observar. Como vai se comportar José Ronaldo em relação a ACM Neto e vice-versa, sobre essa decisão de Targino? Portanto, existe essa divisão.

Fabio Negryne - Essa atitude do deputado Targino Machado, demonstra que o grupo denominado de direita está sem uma certa sincronia, e com essa ramificação de candidatos fica difícil o fortalecimento do grupo.

Joilton Freitas - Essa decisão (da oficialização da candidatura) passa pelo crivo de ACM Neto, presidente nacional do partido. Ele e José Ronaldo não permitirão a candidatura de Targino e ele não pode ser candidato dele mesmo.

Azevedo Júnior - A pressão do deputado Targino Machado é muito natural, segundo a sua avaliação, em termos de potencial de votos, uma vez que na última eleição ele foi o deputado estadual mais votado pelo seu partido em Feira de Santana. Mas até a consolidação de sua escolha para disputar a Prefeitura são outros quinhentos, pois para alcançar o seu objetivo, literalmente tem que passar pelo principal artífice político do DEM em Feira: ex-prefeito José Ronaldo.  Não basta o aval de ACM Neto para ele conseguir o passaporte, pois o presidente nacional do partido sabe muito bem o peso político do ex-prefeito. Portanto, acho que uma boa conversa pode aquietar os ânimos e o desejo do deputado Targino pode ser postergado para o futuro não muito distante.

Elias Lúcio - Acho que por ser uma grande liderança e está bem pontuado nas pesquisas, o deputado Targino Machado deve conversar com o ex-prefeito José Ronaldo e acertar com Colbert, que está melhor pontuado que ele nas pesquisas e tem sido bem avaliado como administrador premiado pela Firjan e IBGE. O deputado Targino mostrará sabedoria e maturidade agindo desta maneira, caso contrário o grupo perde a eleição.

Girlânio Guirra – Quando o deputado Targino Machado mudou de domicílio eleitoral de São Gonçalo para Feira de Santana estava implícito que procurava algo maior. Já estava pleiteando sair candidato, sim, a gestor de Feira de Santana. Tem trabalho forte na periferia e, certamente, é nisso que ele baseia sua pré-candidatura a prefeito. Ele entra forte nessa briga para outubro. Acredito que vai ser muito disputada essa eleição. Não tiro mérito de pesquisa nenhuma, mas só vão valer a partir de junho. Passou a Micareta de abril, aí lá pelo mês de junho vamos saber o que acontece realmente nas pesquisas. Antes disso, as pesquisas não vão funcionar. Enfim, Targino é um nome fortíssimo para concorrer às eleições em outubro.