Profissionais feirenses que trabalham em outras cidades da região estão sendo discriminados por causa da presença do coronavírus no município – até a quinta-feira (19) foram registrados 6 casos positivos e outros 57 casos aguardando resultado de exame laboratorial.
Vários profissionais que trabalham no funcionalismo público foram alvo de discriminação em duas cidades da região: São Gonçalo e Conceição da Feira.
“Pessoas da cidade usam grupos de whatsapp para nos hostilizar. Usam de termos agressivos nos colocando como perigo para a população local. Até nas ruas somos hostilizados”, disse uma profissional que trabalha na prefeitura de Conceição da Feira.
“Aqui na cidade trabalham alguns profissionais feirenses estão passando por situações constrangedoras”, destacou uma das profissionais. Todas pediram anonimato.
Em São Gonçalo também foi registrada a mesma situação com uma profissional de Feira que trabalha na rede de saúde local. “Teve pessoas que se recusaram a ser atendidas por mim alegando risco por eu ser de Feira de Santana, mas falaram de uma forma bem agressiva”, afirma uma enfermeira. Professores também enfrentam a mesma situação.
Todas, no entanto, reconhecem o risco de contágio e apelam para que as prefeituras analisem os casos e permitam que fiquem em casa, em Feira de Santana, aguardando o fim da quarentena. “Reconhecemos que há risco, mas não podemos ser tratados com discriminação e hostilidade”, protesta uma assistente social.