Feira de Santana não é diferente de outras cidades brasileiras que enfrentam a pandemia de coronavírus. Sendo assim, aqui também medidas estão sendo tomadas para conter o crescimento do contágio pela covid-19. Na terça-feira (26), um grupo de empresários se reuniu e fez uma avaliação aterrorizante sobre a economia do município. Qual seu posicionamento diante da previsão desses empresários?
Li a matéria que foi feita pela equipe de jornalismo do site Acorda Cidade a respeito dessa reunião dos empresários. Todos sabem que a maior fatia de audiência é do site e do programa Acorda Cidade. Uma parte de Feira acorda ouvindo e lendo as matérias produzidas pela maior central de notícias, hoje, da cidade.
Sendo assim, no meu entendimento, não cabe a um jornalismo sério uma matéria com um só posicionamento, mesmo porque até uma moeda tem dois lados, e na matéria apenas um lado dessa moeda teve voz. E, ainda, levando em consideração opiniões de empresários que embasaram seus argumentos no achismo, pois não houve estudos e dados estatísticos para chegarem a essa afirmação.
O que se percebe com tudo isso é que estão menosprezando ou tentando diminuir a letalidade do vírus, (mas durante a reunião usaram máscaras, conforme foto veiculada a matéria). Cabe mais uma ressalva: quem é deles que ficará em frente às lojas para atender ao público nos estabelecimentos? Acho que todos sabem qual é a resposta. 
O momento é de união, de preservação da vida. Lógico que para isso a economia não será esquecida, já que tudo perpassa por ela e não vi governo nenhum dizendo o contrário.
Vamos ter que nos reinventar. É um fato. Vamos viver em um lockdown eterno? Não. O melhor remédio para segurar o pico é o distanciamento social? Sim, mas isso até encontrarmos uma forma mais efetiva de conter o contágio. Olha o que aconteceu na terça (26/05/2020), duas pessoas morreram vítimas de covid-19. Enquanto isso, esses empresários estavam reunidos para fazer previsões “catastróficas” e as famílias dessas duas vítimas tiveram que chorar e enterrar seus entes queridos. 
Se não houvessem essas medidas, o número de mortos na nossa Princesa do Sertão seria muito maior. Para constatarmos isso não precisa buscar dados de outros países, basta ver o que está acontecendo em algumas capitais do país. Nas poucas vezes que Feira é citada no cenário nacional é de forma negativa, mas, graças às medidas que o governo vem tomando, estamos sendo citados como exemplo positivo. Precisamos valorizar isso.
A economia tem que continuar crescendo, todos nós sabemos disso, mas o que não se pode é jogar com as vidas das pessoas. Por quantos anos a economia do país deixou de crescer ou houve um retrocesso no seu crescimento por causa do dólar que subiu, o Real que desvalorizou por “enes” questões, ou porque o petróleo sofreu uma queda na Arábia Saudita, por que houve queda na bolsa de valores e por aí vai? O diferencial agora é que vidas estão sendo ceifadas por um ser invisível que nem a maior potência do mundo, com todo seu poder econômico e arsenal bélico, conseguiu, até agora, deter.
Reafirmo meu posicionamento: não concordo com a postura desse pequeno grupo de empresários, que se sentiram no direito de falar por todo o empresariado local, através de um canal de jornalismo sério, que Feira de Santana irá retroceder 10 anos em sua economia, só porque o governo está priorizando vidas até encontrar uma forma melhor de atender aos setores da economia local, que estão tendo que manter fechados seus estabelecimentos.
Fecho meu posicionamento lembrando que os serviços essenciais em nenhum momento tiveram que cumprir com o lockdown.

Girlânio Guirra - DRT/BA 7095