Um Decreto Municipal publicado neste sábado (27) traz uma boa notícia para os servidores municipais endividados com empréstimos consignados. A Prefeitura de Feira, através da Secretaria Municipal de Administração, busca alternativas para aliviar o bolso dos devedores. E não são poucos.
A iniciativa é do próprio prefeito Colbert Filho, preocupado com o nível de endividamento do funcionalismo municipal, ao ser informado da situação pelo secretário Sebastião Cunha, experiente profissional do sistema financeiro.
“Ao chegar ao governo municipal, em agosto de 2019, percebi que a situação era preocupante, com servidor comprometendo até 70% do salário ao final do mês para pagar parcelas de empréstimos”, observa Sebastião.
Hoje, a Prefeitura tem cerca de 11 mil funcionários entre ativos e inativos, e o problema atinge a significativa parcela dos servidores.
O Decreto publicado neste sábado (27) vai proporcionar, por exemplo, que o prazo para pagamento das dívidas seja prolongado dos atuais 60 para 96 meses. “Além disso, estamos autorizados pelo prefeito Colbert a transferir dívidas para bancos que possuam taxas de juros menores”, pontua Cunha, acrescentando que tem servidor pagando até juros de 4% ao mês. “Vamos buscar bancos que trabalhem com margem de até 1.5%”, diz o secretário.
A Secretaria de Administração já convocou grandes bancos para negociar. “Mas o servidor terá poder de decisão. Só negocia quem quiser”, acentua.
Conforme a Lei, é admissível o comprometimento de 30% do salário do servidor com empréstimos consignados e mais 10% com cartões de crédito – 40% ao total. Porém segundo Sebastião Cunha, tem gente com até 70% do salário final comprometido com empréstimos e cartões.
O Protagonista teve acesso à situação de uma aposentada municipal com salário bruto mensal de cerca de R$ 8 mil, que, com os descontos, recebe apenas cerca de R$ 1.1 mil. 
“Vamos buscar reorganizar a vida financeira do funcionário ativo e inativo. Tirar desse afogamento, dessa bola de neve”, argumenta o secretário Sebastião Cunha.