O prefeito Colbert Filho prorrogou até o dia 15 de junho, o Decreto Municipal que vence nesta segunda-feira (8), estabelecendo restrições para o funcionamento da atividade econômica em Feira de Santana, em razão da pandemia da covid-19. O anúncio foi feito através de rede social.
Apenas empresas do comércio e serviços de caráter essencial têm permissão da administração municipal para funcionar. Manter as restrições para atividades que não sejam essenciais neste momento faz parte da estratégia dos especialistas da Secretaria Municipal de Saúde para conter o avanço das infecções por coronavírus e os óbitos no município.
Com relação às aulas na rede municipal, o prefeito deve anunciar nesta segunda-feira (8), maiores detalhes, durante coletiva online com a imprensa, às 10h.
O QUE NÃO FUNCIONA -
O Decreto Municipal determina o fechamento de todos os estabelecimentos comerciais, desde shoppings centers, galerias, lojas de conveniência de postos de gasolina e afins, Feiraguay, Mercado de Arte Popular, Campo do Gado, bares e restaurantes.
Também ficam suspensos, até o dia 15 de junho, o funcionamento de academias de ginástica, cinemas, teatros e demais casas de espetáculos e de eventos, parques infantis privados, centros esportivos de qualquer modalidade. E ainda permanecem fechados Parque do Saber, Teatros Municipais, Bibliotecas Municipais, Museu de Arte Contemporânea Raimundo de Oliveira, assim como Projeto Arte de Viver, além de parques públicos.
A Ceasa e o Centro de Abastecimento seguem funcionando em regime de horário reduzido, das 4h às 14h. E mantém-se garantido o serviço de delivery ou take-awey (retirada no balcão), bem como mantém-se garantida a abertura das atividades comerciais consideradas como de natureza essenciais, como mercados, supermercados, hipermercados, açougues, frigoríficos, granjas, peixarias, lojas de hortifrutigranjeiros, feiras livres de produtos alimentícios.
Também funcionam os postos de combustíveis, revendedoras de gás, as farmácias, instituições bancárias, correspondentes bancários, casas lotéricas, lojas do setor da construção civil e sua cadeia produtiva, lojas de auto-peças, borracharias, oficinas mecânicas e demais estabelecimentos relacionados à manutenção de veículos automotores, serviços de transporte e logística, serviços de segurança privada, estabelecimentos de vendas de material de limpeza e equipamentos de proteção individual (EPIs) e produtos veterinários e agropecuários.
As empresas do setor de serviço, os profissionais liberais, as clínicas (humanas e veterinárias) e as indústrias mantêm-se abertas.