Mesas com o limite de 6 pessoas, estabelecimentos com apenas metade da capacidade funcionando, distanciamento de 1 metro e meio entre as mesas, horário de funcionamento reduzido e sem música ao vivo. Essas são propostas do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Feira de Santana, encaminhadas ao governo municipal para reabertura do segmento no município.
O Protagonista teve acesso às propostas com exclusividade. Ainda faz parte de um protocolo de segurança a oferta de álcool em gel aos clientes na entrada dos estabelecimentos. Conforme Getúlio Andrade, presidente da entidade, as propostas foram encaminhas e protocoladas ao governo municipal no mês de maio.
Ele confirma que ainda esta semana haverá reuniões online com representantes do governo municipal para definir um protocolo de ações para reabertura das atividades de bares e restaurantes em Feira de Santana. "Vamos reiterar essas propostas e amadurecer um protocolo que seja razoável para todos: governo, empresários e clientes", destaca Getúlio.
O dirigente ressalta que a reabertura das atividades para o segmento é necessário até mesmo para sobrevivência de vários estabelecimentos. "Alguns nem vão reabrir. A crise econômica provocada pela pandemia de coronavírus atingiu gravemente alguns empresários do setor, que sofreu com muitas demissões - ele não tem uma estimativa concreta porque as homologações, em sua maioria, são feitas nos próprios estabelecimentos", pontua Getúlio, acrescentando que em um primeiro momento muitos empresários vão aguardar o cenário pós-abertura para se posicionarem.
Getúlio Andrade observa que um termo de compromisso deve ser assinado entre governo e a categoria, mas o cumprimento depende da consciência de cada empresário. "Evidentemente que o Sindicato não tem como atuar individualmente para garantir que os empresários cumprirão o acorda. Neste sentido apelamos à consciência de cada um para fazer sua parte", acentua.
(Foto: Jornal Grande Bahia)