O deputado Targino Machado (DEM) divulgou uma nota neste domingo (12), onde esclarece que não teve intenção de generalizar, quando publicou vídeo em suas redes sociais e aplicativos de mensagens, criticando a atuação de profissionais de imprensa de Feira de Santana, sobre o desempenho do governo municipal em relação à pandemia de coronavírus.
No vídeo, o deputado enumerou algumas situações, relacionadas à pandemia, onde considera o governo municipal com atuação pífia e cobra da imprensa feirense rigor na apuração e divulgação de fatos relacionados ao coronavírus no município e possíveis irregularidades cometidas pelo governo.
Chegou a insinuar, por exemplo, que alguns profissionais - sem dar os nomes - estariam omitindo informações propositalmente: "a caixa registradora deve estar agindo".
As declarações, evidentemente, não foram bem digeridas entre profissionais de comunicação da cidade. Em um grupo de WhatsApp de radialistas e jornalistas, por exemplo, Targino foi criticado duramente.
O vídeo de Targino teria sido motivado por um comentário do radialista Luiz Santos, da Rádio Sociedade News, sobre as críticas pessoais feitas pelo deputado ao prefeito Colbert Filho, chamado até de "verme" pelo parlamentar democrata.
Na nota divulgada neste domingo (12), o deputado Targino enfatiza que não generalizou ao criticar a postura da imprensa em relação à atuação do prefeito e do governo municipal sobre a pandemia em Feira. A seguir, a nota completa de Targino Machado:
"Neste último sábado, dia 11, gravei um vídeo e o distribui através das redes sociais e aplicativos de mensagens, onde, dentre outras coisas, disse o seguinte: Digo que nunca me contrapus a opiniões de membros da imprensa, a exemplo de Silvério Silva, Jorge Calmon, Samuel Celestino, Jorge Bianchi e Dilton Coutinho, enfim, sem imprensa livre não há democracia. 
Citei estes cinco profissionais da imprensa estadual, pois foram aqueles que já emitiram, diversas vezes, opiniões divergentes ou que, de certa forma, significaram críticas a mim ou ao meu mandato, e nunca me contrapus, pois a imprensa livre é um dos pilares da democracia.
Se houvesse a intenção de atacar ou ferir a imprensa, em geral, de Feira de Santana, teria excluído o nome do meu amigo Valter Vieira, com quem tenho uma relação de amizade antiga e, de igual modo, Jair Cezarinho. 
Se a minha crítica foi entendida como genérica, queiram me perdoar todos que, por ventura, se sentiram ofendidos, vez que, sou um crítico ferrenho da imputação genérica, pois é ato infame.
Sempre digladiei às claras e pela frente, sem nunca me utilizar de artimanhas ou cortinas de fumaça, assim seguirei, sem tergiversar ou escamotear".
(Com informações da assessoria do deputado Targino Machado)