O velório do pastor e empresário Robério Benigno, de 45 anos, que morreu vítima de coronavírus em Feira de Santana, teve uma inusitada homenagem de seus colaboradores, seguranças da empresa Cão de Guarda. E também aglomeração.
Em fila, cada um dos funcionários prestou homenagem ao pastor e empresário, prestando continência – uma reverência militar de cumprimento em sinal de respeito.
O velório não seguiu as recomendações das autoridades de saúde. Em um vídeo divulgado nesta sexta (10) em redes sociais, aparecem várias pessoas aglomeradas, próximas ao caixão, embora usando máscara.
Robério estava internado em um hospital particular de Feira de Santana há vários dias. Ele ministrava a Palavra na Igreja Batista Renovada Guarda de Israel, na sede e no distrito de Maria Quitéria. Foi alvo de várias mensagens de solidariedade.