Um protesto que reuniu algumas pessoas no centro de Feira teve até ameaça a um respeitado profissional de imprensa e muita confusão, com o trânsito mais uma comprometido, nesta terça-feira, 22.
Além do bloqueio e consequentes transtornos no trânsito de todo o centro da cidade, os manifestantes, entre eles candidatos a vereador, provocaram fogo em via pública e chegaram, inclusive, a agredir verbalmente e ameaçar um radialista.
Parte dos manifestantes é da APLB Sindicato, protestando contra corte de benefícios devido a paralisação das aulas da rede municipal. O governo suspendeu o pagamento de horas extras e do deslocamento de professores para a zona rural, porque as aulas estão suspensas pela pandemia. Outra parte dos manifestantes é composta de candidatos a vereador e outros que se identificam como ambulantes.

O repórter Ney Silva, do Programa Acorda Cidade, da Rádio Sociedade News, foi vítima da hostilidade dos manifestantes, e por pouco não foi agredido fisicamente por um homem - que foi contido por outros – veja o vídeo. O profissional de imprensa revelou que foi impedido de realizar o seu trabalho por manifestantes do grupo que se identificaram como camelôs. 
"Fui hostilizado, agredido verbalmente e impedido de realizar meu trabalho, enquanto profissional de imprensa. Uma situação lamentável, pois estamos ali inclusive para dar voz a eles, bem como informar a população", lamentou. 
O protesto acontece num momento em que o Governo Municipal conseguiu, pela segunda vez, liminar na Justiça para transferir as barracas do centro da cidade para a Cidade das Compras, o centro comercial popular aberto ao público segunda (21). Dos 1.800 ambulantes e barraqueiros cadastrados, há mais de três anos, 1.400 já concordaram com a mudança para a Cidade das Compras e 52 barracas já foram retiradas do centro da cidade.       
Uma grande fumaça preta, do incêndio em pneus e madeira, causou transtornos a motoristas e transeuntes, e principalmente a lojistas e comerciários de estabelecimentos próximos. O Corpo de Bombeiros teve que ser acionado para conter as chamas. O ato também causará prejuízos aos cofres públicos, visto que o piso da avenida Senhor dos Passos, no local do incêndio, foi comprometido pelo fogo, segundo a prefeitura.