A deputada federal Dayane Pimentel (PSL) reuniu alguns profissionais de imprensa de Feira para uma entrevista na manhã desta quinta (19). A expectativa era que anunciasse sua posição em relação ao segundo turno das eleições municipais no município.

Assim o fez, porém anunciando que votaria em branco ou nulo e recomendando a seus eleitores que agissem da mesma forma.

Esta postura antidemocrática da deputada talvez explique seu fracasso em Feira, e do marido candidato a vereador em Salvador. Em 2018 ela obteve 15.928 votos para deputada em Feira. Para prefeita, em 2020, 13.949 votos. Queda de 12%.

Já o marido Alberto Pimentel recebeu uma fortuna de R$ 357 mil reais de Fundo Partidário do PSL para tocar sua rica campanha rumo à vereança em Salvador. Novo fracasso dos Pimentel. Conseguiu apenas 4.430 votos e não se elegeu.

O anêmico mandato de deputada federal, aliado a polêmicas, denúncias de irregularidades e rompimento com o ex-padrinho Bolsonaro justificam a queda eleitoral da parlamentar. Recomendar anulação de voto em uma eleição que decide o futuro de Feira de Santana é apenas mais uma trapalhada da senhora deputada Dayane. 2022 é logo ali.